Rádio Observador

Redes Sociais

Instagram disponibilizou imagem do corpo de rapariga assassinada durante 24 horas e indignou utilizadores

O Instagram demorou um dia a apagar as fotografias do cadáver de Bianca Devins partilhada pelo namorado que a matou. E os utilizadores não gostaram.

Bianca Devins tinha 17 anos e namorava com Brandon Clark há dois meses

Twitter

As fotografias foram publicadas às 6h40 da madrugada deste domingo, no Instagram de Brandon Clark, um jovem de 21 anos e o autor do crime. Nelas, podia ver-se um corpo de uma rapariga ensanguentado, que mais tarde viria a descobrir-se que era Bianca Devins, de 17 anos. Podia e continuou a poder ver-se durante 24 horas uma vez que o Instagram continuou a permitir que aquelas imagens continuassem disponíveis: só no dia seguinte é que a rede social começou a tomar medidas para eliminar as imagens. O que não foi fácil: àquela hora havia até utilizadores que tinham criado contas com essas imagens para obter gostos e seguidores.

De acordo com o relatório da ocorrência, 40 minutos depois da publicação, a polícia de Utica, cidade no estado norte-americano de Nova Iorque, começou a receber “inúmeras chamadas a informar que um rapaz tinha publicado nas redes sociais que tinha matado a namorada e ameaçava agora magoar-se a si próprio”. Na publicação, Brandon Clark escreveu: “Desculpa Bianca”. O rapaz publicou ainda as mesmas imagens em duas aplicações online de jogos.

Ao mesmo tempo, vários utilizadores começaram a denunciar a imagens ao próprio Instagram, mas a rede social apenas classificou as imagens como conteúdo sensível e aplicou um aviso e um filtro que desfoca as fotografias. Ainda assim, a imagem continuava disponível: bastava que um utilizador clicasse na imagem para aceitar ver o conteúdo sensível. Embora a imagem não tenha sido partilhada, milhares de utilizadores daquela e de outras redes sociais começaram a falar da existência de uma foto de um cadáver no Instagram de Brandon, questionando o porquê de ainda estar disponível.

O assunto tornou-se uma tendência nas redes sociais — especialmente porque os utilizadores começaram a usar o hashtag #ripbianca — o que fez com que várias pessoas acedessem ao perfil do jovem para visualizar a imagem. Além disso, houve mesmo utilizadores a sugerir a outros que seguissem a conta de Brandon Clark para, assim, ver as imagens antes que o Instagram removesse a conta — embora outros aconselhassem a não fazê-lo. De acordo com a revista Rolling Stone, houve até utilizadores que fizeram uma captura de ecrã à imagem e a criar contas onde publicaram as fotografias do cadáver, em busca de gostos e seguidores.

Só na manhã de segunda-feira — 24 horas depois da publicação da foto — é que o Instagram finalmente removeu a conta do suspeito e começou a tomar medidas para apagar a imagem de toda a rede social.

Na manhã do homicídio, o autor das fotografias acabou também ele por ligar para o 911 (o equivalente ao 112, em Portugal) o que levou os agentes da polícia a mobilizar-se de imediato para o local. Lá acabariam por encontrar Brandon Clark dentro de um carro e o corpo de Bianca Devins não muito longe dali. Quando intercetado pela polícia, o jovem deitou-se ao lado do cadáver e começou a tirar várias selfies. O rapaz foi entretanto detido e indiciado com homicídio em segundo grau.

A investigação permitiu concluir que os Brandon e Bianca se tinham conhecido há dois meses, através precisamente do Instagram. “Eles passavam algum tempo juntos e já tinham conhecido a família uns dos outros”, aponta a polícia no relatório da ocorrência, que adianta que a polícia está a colaborar com as redes sociais visadas. 

Instagram nega que tenha demorado 24 horas a agir. Mas confirma que só removeu conta na segunda-feira

Questionada pelo Observador, fonte do Facebook que detém o Instagram, confirmou que “está a detetar conteúdos relacionados com este trágico acontecimento e a remover os que violam as nossas políticas”. O Instagram nega a informação avançada e confirmada por vários jornais que tenha demorado 24 horas a agir, embora não consiga dizer ao certo quanto tempo demorou. Mais à frente, no entanto, confirma que só na segunda-feira e depois de o crime e os suspeitos serem confirmados é que removeu a conta de Brandon Clark, quer no Instagram, quer no Facebook.

Não conseguimos dizer ao certo quanto tempo demorou a remover a publicação, mas não demorou 24 horas”, respondeu o Facebook, numa nota enviada por email ao Observador.

A mesma fonte explica que quando tomou conhecimento do “trágico acontecimento”, no domingo, removeu o “conteúdo em questão” da conta de Brandon Clark e começaram a “monitorizar a situação em tempo real” — no entanto não especifica em que altura do dia isso foi feito. Certo é que vários jornais avançaram que a imagem só foi classificada como conteúdo sensível, o que fez com que apenas fosse aplicado um filtro para a desfocar.

O Facebook adianta ainda que previu que, uma vez que o suspeito fosse identificado, os utilizadores iam começar a “tentar criar contas a fazer passar-se por ele” e, por isso, começou a “procurá-las  imediatamente e a removê-las”. “Estamos também a monitorizar as hashtags e contas que alegam compartilhar esse conteúdo, mas de acordo com nossas políticas. Por exemplo, bloqueamos a hashtag #yesjuliet, #yesjulietpicture, #checkyesjuliet, #yesjulietvideo por estarem a tentar difundir a imagem”, explicou a mesma fonte, adiantando ainda que estão a colaborar com as autoridades.

[Atualizado às 13h25 com a resposta oficial do Facebook]

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça
153

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Redes Sociais

Uma bandeira que vale mais do que a fama

P. José Maria Brito, SJ
149

O que terá o fundador da Companhia de Jesus a ver com o Team Strada? Poderá ele dizer-nos alguma coisa sobre a educação dos afetos? Leitura dum tema da atualidade partindo da espiritualidade inaciana

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)