Rádio Observador

Terrorismo

Irmão do autor do atentado de Manchester em 2017 extraditado pela Líbia para o Reino Unido

Hashem Abedi, irmão de Salman Abedi, autor do atentado em Manchester, foi detido por "morte, tentativa de morte e conspiração destinada a provocar uma explosão suscetível de colocar vidas em perigo".

Homem deverá comparecer em breve perante a justiça, adiantou a polícia

LIBYAN INTERIOR MINISTRY HANDOUT/EPA

O irmão do autor do atentado suicida de Manchester que provocou 22 mortos em 2017 foi esta quarta-feira detido num aeroporto de Londres após ser extraditado pela Líbia, anunciou a polícia britânica.

Hashem Abedi, irmão de Salman Abedi, foi detido por “morte, tentativa de morte e conspiração destinada a provocar uma explosão suscetível de colocar vidas em perigo”, indicou a polícia de Manchester em comunicado.

“Foi entregue esta manhã pelas autoridades líbias aos polícias britânicos”, precisou Ian Hopkins, um responsável pela polícia de Manchester, que acrescentou: “Escoltaram-no no voo [em direção ao Reino Unido] e aterraram há pouco no Reino Unido”. Transferido para uma esquadra da polícia, deverá comparecer em breve perante a justiça, adiantou a polícia.

“Trata-se obviamente de um momento importante para o inquérito”, reagiu a primeira-ministra Theresa May. “Espero que esta etapa satisfaça os próximos de todas as vítimas” e permita “levar este caso perante os tribunais”, acrescentou. Previamente, fonte dos serviços secretos líbios tinha anunciado a sua extradição.

“Foi entregue aos serviços da embaixada britânica no aeroporto de Mitiga [perto de Tripoli] em conformidade com uma decisão da justiça líbia e a pedido das autoridades britânicas”, indicou Ahmed Ben Salem, porta-voz da Força de Radaa, um grupo armado que manteve o acusado sob detenção e que exerce funções policiais na capital líbia.

A Força de Radaa (dissuasão) leal ao Governo de Acordo Nacional líbio (GAN) reconhecido pela ONU, prendeu o irmão, então com 18 anos, e o pai de Salman Abedi alguns dias após o atentado. O pai foi libertado semanas mais tarde.

Esta força indicou na ocasião que Hashem Abedi “admitiu que se encontrava no Reino Unido durante o período de preparação do atentado” e que estava “plenamente ao corrente dos detalhes desta operação terrorista”.

A polícia de Manchester afirmou por sua vez ter recolhido provas suficientes para obter um mandado de captura contra Hashem Abedi.

A Líbia não extradita habitualmente os seus cidadãos.

Em 22 de maio de 2017, Salman Abedi fez explodir a bomba que transportava à saída de uma grande sala de espetáculos onde acabava de atuar a estrela pop norte-americana Ariana Grande, tendo sido mortas 22 pessoas, incluindo sete crianças, e cerca de 100 ficaram feridas.

A Força de Radaa é formada essencialmente por salafistas (não ‘jihadistas’), estacionados sobretudo a leste da capital e exerce funções policiais em Tripoli, afirmando perseguir traficantes (droga, álcool), e pessoas suspeitas de integrarem grupos ‘jihadistas’.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)