Rádio Observador

Mercado Imobiliário

Mercado imobiliário está a acelerar, garante a consultora CBRE

110

Sinais de desaceleração no mercado imobiliário? Nada disso, garante a consultora CBRE, que reviu em alta as expectativas de investimento neste setor para a segunda metade do ano.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A consultora CBRE reviu em alta as expectativas de investimento no mercado imobiliário português para a segunda metade do ano, fruto da confirmação de que não está para breve qualquer alteração da política monetária na zona euro — ou seja, vão continuar os juros baixos — e, também, resultado de uma procura que se mantém “muito ativa” e uma “escassez” do lado da oferta.

Em comunicado difundido esta quarta-feira, a CBRE diz que o mercado de investimento em imobiliário em Portugal se revelou “bastante dinâmico ao longo do primeiro semestre de 2019 e a expectativa é que o ritmo seja ainda mais acelerado na segunda metade do ano, prevendo-se um aumento do investimento imobiliário na ordem dos três mil milhões de euros”.

Não é provável que se supere o recorde de investimento que se registou em 2018 — 3,5 mil milhões, segundo a consultora. Mas Francisco Horta e Costa, diretor-geral da CBRE, explica que as expectativas relativamente a 2019 são hoje mais otimistas do que eram no início do ano, em que se admitia um valor inferior para o investimento anual. Se em janeiro se apontava para um valor total de investimento anual entre 2 mil milhões e 2,5 mil milhões, agora a expectativa é de um investimento entre 2,5 mil milhões e 3 mil milhões.

O diretor-geral da CBRE acrescenta que “se estas previsões se concretizarem, será o segundo ano de maior investimento imobiliário em Portugal e o quarto em que os valores superam os 2 mil milhões de euros”. E Cristina Arouca, diretora da área de research, dá uma explicação mais detalhada sobre as razões que levam a este maior otimismo por parte da consultora:

Para Cristina Arouca, entre as principais razões para o aceleramento do investimento no segundo semestre de 2019 estão “a manutenção de uma elevada liquidez por parte dos investidores e a garantia de que as taxas de juro, se vão manter inalteradas até ao final do ano, conforme anunciou o Banco Central Europeu (BCE), em março deste ano”.

“Paralelamente”, acrescenta a especialista, “os fundamentos do mercado imobiliário em Portugal continuam robustos, na medida em que a procura mantém-se muito ativa e persiste a escassez de espaços disponíveis para arrendamento, o que tem induzido uma forte subida do valor das rendas e, consequentemente, a valorização dos ativos imobiliários”.

“A atratividade do setor reflete-se, inclusivamente, no número de novos investidores, nomeadamente internacionais, que abordam diariamente a CBRE”, conclui Cristina Arouca.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
467

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)