Rádio Observador

Política

Parlamento reaprecia sexta-feira a lei do lóbi após veto de Marcelo, mas PSD pode chumbar lei

Consenso entre todos os grupos parlamentares permite que a lei do lóbi seja reapreciada já na sexta-feira, último dia de plenário antes das férias de verão, mas PSD deverá alterar sentido de voto.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A decisão de reapreciar na sexta-feira a lei do lóbi — depois do veto do Presidente da República — foi tomada esta quarta-feira, por consenso entre todos os partidos, numa reunião de conferência de líderes, na Assembleia da República, por proposta do CDS, seguida pelo Partido Socialista, mas o PSD pode alterar o sentido de voto e fazer cair o diploma no Parlamento.

Ainda sem conhecimento das alterações a propor, de acordo com o Expresso, o PSD afirma que irá alterar o sentido de voto, votando contra o diploma.

Ora, com a abstenção dos sociais-democratas a transformar-se num voto contra, o diploma será chumbado e o pacote da transparência trabalhado ao longo da legislatura passará de ser constituído por três diplomas para apenas dois, que já receberam a promulgação de Marcelo Rebelo de Sousa: o regime de exercício de cargos públicos e políticos e o estatuto dos deputados.

Um dos motivos para o veto de Marcelo é precisamente aquele que é defendido pelo líder do PSD, Rui Rio (a obrigação da declaração de interesses) o que leva a crer que a bancada dos sociais-democratas não irá aceitar as alterações que CDS e PS fizerem ao diploma para ir ao encontro dos reparos do chefe de Estado.

Regimentalmente, a reapreciação do veto só seria possível dentro de quinze dias e, para acelerar este debate, só seria possível por consenso entre todos os grupos parlamentares, o que aconteceu.

Na sexta-feira, o próprio Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu que o veto fosse ultrapassado antes do final da legislatura, ou seja até sexta-feira, último dia de plenário antes das férias de verão.

Processualmente, a mensagem do Presidente que acompanha a devolução da lei do lóbi será lida logo no início da sessão de sexta-feira, previsto para as 09:00, e as propostas de alteração ao diploma, pelo menos do PS e do CDS, serão votadas ao final da tarde, no final da maratona de votações.

Tanto Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS, como Pedro Delgado Alves, vice-presidente da bancada do PS, reiteraram, no final da reunião de hoje, que vão apresentar propostas para acomodar os motivos do veto de Marcelo Rebelo de Sousa.

Na sexta-feira, o Presidente vetou o diploma do parlamento que regula a atividade de lóbi em Portugal apontando-lhe “três lacunas essenciais”, em particular o facto de “não prever a sua aplicação ao Presidente da República”.

Na carta dirigida ao presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, Marcelo contesta ainda “a total omissão quanto à declaração dos proventos recebidos pelo registado, pelo facto da representação de interesses” e o facto de a lei “não exigir a declaração, para efeitos de registo, de todos os interesses representados, mas apenas dos principais”.

A chamada lei do lóbi aprovada em votação final global em 07 de junho com votos favoráveis de PS e CDS-PP, com a abstenção do PSD e votos contra de BE, PCP, PEV, PAN e do deputado não inscrito Paulo Trigo Pereira.

Em declarações aos jornalistas, Nuno Magalhães saudou que “tenha havido uma anuência mínima” para que se faça a reapreciação do diploma e prometeu que o CDS apresentará propostas que vão ao “encontro das preocupações do Presidente”, algumas delas que eram “preocupações iniciais” dos centristas e não tiveram consenso na comissão eventual para o reforço da transparência.

“O importante a realçar é que, com maior ou menor entusiasmo, houve essa anuência e esse consenso” para se reapreciar a lei, disse.

Já Pedro Delgado Alves, do PS, repetiu, como já tinha feito no sábado, que acompanha as preocupações do Presidente da República e que reapresentará algumas propostas iniciais dos socialistas que não tiveram vencimento na comissão e respondem às dúvidas do veto.

E disse acreditar que a lei, alterada, será aprovada na sexta-feira, porque “corresponde ao regime que vigora no direito da União Europeia”.

“Veto sensibilizará os demais grupos parlamentares” quanto às alterações a propor, disse ainda.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)