Rádio Observador

França

Prejuízos dos “coletes amarelos” custaram mais de 0,1% do PIB francês

Os danos provocados pelo movimento dos coletes amarelos tiveram um custo económico direto de 0,1% de toda a riqueza produzida pelo país. O turismo foi um dos setores mais prejudicados.

O fenómeno também teve repercussões no comércio e na remuneração de horas extraordinárias às autoridades policiais

JULIEN DE ROSA/EPA

Os protestos dos “coletes amarelos” em França tiveram um custo económico equivalente a uma décima do PIB do país, de acordo com um relatório parlamentar apresentado esta quarta-feira em Paris. O PIB de França em 2018 ascendeu a 2,35 biliões (milhões de milhões) de euros, pelo que 0,1% ascende a cerca de 2,35 mil milhões de euros.

O movimento dos “coletes amarelos” iniciou-se em Paris de forma espontânea em outubro de 2018 e espalhou-se para outras cidades francesas (e até de outros países) juntando milhares de pessoas – que se diziam inconformadas pelo aumento do preço dos combustíveis, pelo alto custo de vida e pelas desigualdades económicas — em sucessivas manifestações que provocaram avultados estragos físicos.

O relatório apresentado esta quarta-feira no Parlamento menciona que os danos provocados pelo movimento tiveram um custo económico direto que representa 0,1% da riqueza produzida pelo país, mas teve repercussões sociais e políticas cujas consequências ainda não se podem avaliar totalmente.

“Esta perspetiva macroeconómica está longe de refletir a amplitude das repercussões (do movimento)”, pode ler-se no relatório elaborado por uma equipa de 16 deputados e promovido por uma iniciativa do presidente da Comissão dos Assuntos Económicos da Assembleia Nacional francesa, Roland Lescure.

O turismo foi um dos setores mais prejudicados pelo movimento dos “coletes amarelos”, com perdas de cerca de 850 milhões de euros, afetando hotéis, restaurantes e cafés, de acordo com cálculos mencionados no relatório.

O fenómeno também teve repercussões no comércio, com os deputados da comissão a estimar que o facto de as manifestações terem muitas vezes degenerado em violência assustou clientes, produzindo uma redução nas receitas das lojas estimada entre 20% e 30%.

Um relatório do Senado francês, apresentado em junho, já tinha indicado que as companhias de seguros tiveram que pagar 217 milhões de euros em compensações, especialmente aos comerciantes.

Os prejuízos apresentados no relatório incluem ainda a remuneração de horas extraordinárias que tiveram de ser pagos às autoridades policiais, que tiveram de repor a ordem pública durante as manifestações dos “coletes amarelos”, resultando em valores superiores a 46 milhões de euros.

Remuneração de horas extras tiveram que ser pagos a policiais e gendarmes para lidar com a ordem pública durante as manifestações dos “coletes amarelos” em dispositivos excecionais resultaram em um projeto de lei “pelo menos 46,08 milhões de euros”.

O preço é ainda mais elevado para a reparação de radares de velocidade, que foram um alvo privilegiado da ira dos manifestantes, com os deputados a contabilizarem 2.410 radares destruídos e 577 danificados.

Os autores do relatório observam que as maiores repercussões económicas afetaram as pequenas empresas que, devido à perda de receitas, passaram por situações de pressão nas suas tesourarias e por dificuldades em lidar com o pagamento de custos fixos dos seus negócios.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)