Rádio Observador

Crime

Turistas britânicos encorajados a afixar cartazes de Madeleine McCann durante as férias

144

Turistas britânicos com viagens marcadas para o estrangeiro estão a ser encorajados a levar cartazes de Madeleine McCann pela campanha Find Madeleine na rede social Facebook.

Mais de dois milhões de britânicos visitaram Portugal nos últimos três anos, mas muitos mais viajam anualmente para Espanha, França e Itália

Turistas britânicos com viagens marcadas para o estrangeiro estão a ser encorajados a levar cartazes de Madeleine McCann para os afixar nos seus locais de férias. O apelo partiu da campanha oficial para encontrar a criança inglesa, desaparecida em Portugal em 2007.

“Vai de férias? Por favor, considere usar as nossas etiquetas de bagagem e cartazes. Pode descarregar e imprimir em casa. Se afixar o cartaz, peça permissão primeiro. Obrigado por não desistir de Madeleine”, divulgou a campanha Find Madeleine na rede social Facebook. Algumas pessoas responderam ao apelo, indicando que sim, que o vão fazer em países como Japão, Espanha ou Hungria.

Are you going on holiday? Please consider taking our luggage tags and posters. You can download and print from home. If…

Posted by Official Find Madeleine Campaign on Monday, July 15, 2019

Mais de dois milhões de britânicos visitaram Portugal nos últimos três anos, mas muitos mais viajam anualmente para Espanha, França e Itália. Na página de Internet onde estão disponíveis cartazes em 17 línguas, incluindo português, inglês, espanhol, árabe, dinamarquês, filipino, romeno, russo ou turco, é explicado que “há muitos casos de crianças raptadas que foram encontradas e devolvidas às suas famílias – mesmo depois de longos períodos de tempo”.

A mesma página alega que uma em cada seis crianças são recuperadas após serem reconhecidas por um cartaz e que é por isso que a campanha lançou esta iniciativa.

Madeleine McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, em 03 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.

Nos ‘posters’ aparece a imagem da criança na altura e também retratos com a aparência que ela poderá ter agora, passados 12 anos.

“Estamos muito gratos a todos por descarregarem e afixarem um ‘poster’ – pode ser o cartaz que traz a Madeleine para casa”, diz o apelo. O site oficial da campanha disponibilizou seis cartazes diferentes em mais de 15 línguas – entre elas o português, espanhol, alemão e até árabe.

A polícia britânica recebeu recentemente cerca de 300 mil libras (332 mil euros) para continuar a investigação iniciada em 2012 e que até agora já custou perto de 12 milhões de libras (14 milhões de euros).

A Polícia Judiciária (PJ) reabriu a investigação em 2013, depois de o caso ter sido arquivado pela Procuradoria Geral da República em 2008, ilibando os três arguidos, os pais de Madeleine, Kate e Gerry McCann, e um outro britânico, Robert Murat.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)