Rádio Observador

Conselho de Estado

Conselho de Estado analisou desafios sociais e políticos sem divulgar conclusões

O Conselho de Estado analisou as perspetivas económicas e financeiras e os desafios sociais e políticos no plano europeu e internacional.

É o décimo terceiro Conselho de Estado que o PR convoca neste espaço de três anos e quatro meses

LUSA

O Conselho de Estado analisou esta quinta-feira as perspetivas económicas e financeiras e os desafios sociais e políticos no plano europeu e internacional, numa reunião de três horas e meia que terminou sem divulgação de conclusões.

No comunicado distribuído aos jornalistas, lê-se apenas que o órgão político de consulta presidencial “analisou a situação e as perspetivas económicas e financeiras decorrentes do novo contexto europeu e mundial”, o tema que estava na agenda da reunião, e “debateu, ainda, os desafios que se colocam à Europa e ao mundo em termos sociais e políticos e o impacto em Portugal”.

Esta curta nota informativa foi divulgada no Palácio de Belém, em Lisboa, cerca de meia hora após o final da reunião do Conselho de Estado, que começou pelas 15h20 e terminou cerca das 18h50, com as ausências do presidente Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, e dos conselheiros Eduardo Lourenço, Luís Marques Mendes e António Damásio.

O presidente do PS e líder da bancada socialista, Carlos César, que segundo fonte da Presidência da República tinha confirmado a sua presença na reunião, acabou por também não comparecer, por se deslocar aos Açores, devido à morte do eurodeputado socialista André Bradford.

Desde que assumiu funções, em março de 2016, Marcelo Rebelo de Sousa aumentou a frequência das reuniões do Conselho de Estado e esta é a décima terceira que convoca neste espaço de três anos e quatro meses.

A anterior reunião do Conselho de Estado realizou-se no dia 1 de março, para debater as repercussões mundiais do ‘Brexit’ e a situação financeira internacional, tendo como convidada a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.

A situação económica e financeira europeia foi o tema escolhido por Marcelo Rebelo de Sousa para a primeira reunião do Conselho de Estado do seu mandato, que se realizou em abril de 2016, com a presença presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, como convidado.

O Conselho de Estado tem-se debruçado sucessivamente sobre as perspetivas políticas, económicas e financeiras europeias e internacionais a médio e longo prazo e os seus possíveis efeitos em Portugal, tendo também debatido repetidas vezes o impacto da saída do Reino Unido da União Europeia.

Presidido pelo chefe de Estado, este órgão político de consulta é composto pelos titulares dos cargos de presidente da Assembleia da República, primeiro-ministro, presidente do Tribunal Constitucional, Provedor de Justiça, presidentes dos governos regionais e pelos antigos Presidentes da República.

Integra, ainda, cinco cidadãos designados pelo chefe de Estado, pelo período correspondente à duração do seu mandato, e cinco eleitos pela Assembleia da República, de harmonia com o princípio da representação proporcional, pelo período correspondente à duração da legislatura.

Marcelo Rebelo de Sousa inovou ao convidar personalidades estrangeiras e portuguesas para as reuniões deste órgão. Além de Draghi e de Lagarde, já foram convidados o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker e o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)