Rádio Observador

Óbito

Morreu o eurodeputado do PS André Bradford

409

O eurodeputado do PS André Bradford, que estava em coma induzido desde dia 8 deste mês, faleceu nesta quinta-feira no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada. Tinha 48 anos.

Autores
  • Agência Lusa
Mais sobre

O eurodeputado do PS André Bradford, que estava em coma induzido desde dia 08 deste mês, faleceu nesta quinta-feira no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, revelou à agência Lusa fonte do PS/Açores.

Bradford, de 48 anos, teve no dia 8 um episódio de síncope e paragem cardiorrespiratória, vindo hoje a falecer.

André Bradford foi eleito para o Parlamento Europeu pela primeira vez neste mandato, a 26 de maio, tendo tomado posse no passado dia 2 de julho, seis dias antes de sofrer um enfarte durante a madrugada que acabaria por se revelar fatal.

André Bradford, natural de Ponta Delgada, era licenciado em Comunicação Social e tornou-se em 2000 assessor de imprensa da Secretaria Regional do Ambiente do Governo dos Açores, tendo desempenhado depois funções de assessor político e de secretário regional.

Foi o quinto nome da lista do PS às eleições europeias, e antes era líder da bancada socialista na Assembleia Legislativa Regional dos Açores, cargo a que teve de abdicar para rumar a Bruxelas. Antes disso tinha sido secretário regional da presidência no Governo Regional liderado por Carlos César, entre 2008 e 2012.

Marcelo Rebelo de Sousa: “Teria certamente muito ainda para dar”

No site oficial da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa já reagiu à morte do socialista. “É com profunda consternação e emoção que o Presidente da República toma conhecimento da morte tristemente prematura do Deputado do Parlamento Europeu André Bradford, enviando à viúva e a toda a família enlutada as mais sentidas condolências”, pode ler-se na nota.

“Depois de servir Portugal e a sua Região, os Açores, André Bradford tinha agora um novo desafio e a nobre missão de continuar uma carreira de serviço público no Parlamento da União Europeia. Teria certamente muito ainda para dar à sua família, amigos, à democracia e ao nosso País. Por isso, o Presidente da República lamenta profundamente, em nome de Portugal, o seu desaparecimento extemporâneo”, completa Marcelo Rebelo de Sousa.

Em declarações à Rádio Observador, Carlos Zorrinho, chefe da delegação socialista no Parlamento Europeu, lamentou a morte do recém-eleito eurodeputado. “Este é um momento de tristeza. O André [Bradford] não foi muito tempo como eurodeputado, mas nesse pouco tempo mostrou uma grande disponibilidade, um enorme entusiasmo e uma enorme vontade de exercer o mandato. Infelizmente aconteceu o que aconteceu. Dirigimos os nossos sentimentos à família, aos amigos e ao PS-Açores enquanto delegação. Estaremos ao lado deles naquilo que ainda se pode fazer”, afirmou.

O eurodeputado recorda ainda André Bradford como uma pessoa “que gostava muito de política e que estava preparado para fazer um grande mandato”. “Esperemos que descanse em paz“, concluiu.

O cabeça-de-lista do PS às eleições europeias também já reagiu à morte de André Bradford. “Sobram-me apenas palavras de solidariedade para a família, os amigos e para todos os que, como eu, muito gostavam e respeitavam o André Bradford”, escreveu Pedro Marques no Facebook.

PS e Governo dos Açores lembram dedicação à região

Numa nota de pesar publicada no seu site oficial, o Partido Socialista lamenta o desaparecimento “de um quadro tão qualificado e com tanto futuro à sua frente”. “Constitui uma perda dramática para o nosso Partido, e em particular para os nossos camaradas do PS-Açores, ao serviço de quem tanto se destacou em diversas funções, revelando uma capacidade de trabalho e uma combatividade por todos reconhecida”, pode ler-se ainda.

Lembrando que “os Açores foram sempre, até ao fim, a grande causa que moveu toda a sua vida política”, o PS expressa “sentidas condolências a toda a família de André Bradford, aos seus amigos e a todos os seus e nossos camaradas do PS-Açores, na pessoa do seu presidente Vasco Cordeiro”.

O presidente do Governo dos Açores, o socialista Vasco Cordeiro, expressou em nome do executivo regional “grande consternação” pelo falecimento do eurodeputado do PS André Bradford, um “açoriano que dignificou a atividade política”.

“Nas diversas funções políticas e executivas que assumiu ao longo de vários anos, o André Bradford imprimiu sempre à sua ação a lucidez, a inteligência e a capacidade de diálogo que permitiam construir pontes mesmo quando, por vezes, os obstáculos pareciam intransponíveis“, salientou Vasco Cordeiro, em nota enviada à imprensa pelo seu gabinet

PSD e BE lamentam morte de André Bradford

As reações chegam também de outros quadrantes políticos. Paulo Rangel recorreu ao Twitter para transmitir os seus pêsames à família e amigo do socialista açoriano. “Fortemente abalado pelo falecimento do nosso colega André Bradford, transmito à família sentidos pêsames e uma palavra de conforto. A delegação do PSD no Parlamento Europeu oferece toda a solidariedade aos colegas da delegação do PS e ao PS-Açores e PS nacional”, escreveu o eurodeputado do PSD.

Já a eurodeputada do Bloco de Esquerda Marisa Matias utilizou as redes sociais para prestar as condolências. “Que triste notícia. O José Gusmão e eu não tivemos, infelizmente, muito tempo para conhecer o André Bradford. Fica-nos a imagem de um homem inteligente, dedicado, afável e comprometido. A equipa do BE expressa as mais sinceras condolências à sua família, amigos e ao Partido Socialista”, escreveu no Twitter a dirigente bloquista. Uma mensagem que foi republicada pela líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins.

O Gabinete em Portugal do Parlamento Europeu também já reagiu, lamentando “a morte do eurodeputado André Bradford, falecido hoje no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada”, via Twitter.

Presidente do Parlamento Europeu também reagiu

O presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, também lamentou a morte do eurodeputado.

“Sinto enorme pesar pela morte do meu colega André Bradford, deputado português ao Parlamento Europeu. O seu desaparecimento repentino toca-nos profundamente e vem privar o seu país, o seu partido e a Europa do seu comprometimento pessoal e político”, afirmou Sassoli.

“O meu pensamento dirige-se sobretudo à família e aos amigos, aos quais apresento as minhas sinceras condolências”, acrescentou numa mensagem enviada à redação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)