Rádio Observador

Relações Internacionais

Parlamento timorense aprova propostas de lei sobre tratado de fronteiras

Em causa estão um conjunto de procedimentos para a ratificação do Tratado entre a República Democrática de Timor-Leste e a Commonwealth da Austrália, que estabelece fronteiras Marítimas.

O debate, porém, ficou desde início marcado pela contestação da Fretilin

ANTÓNIO AMARAL/LUSA

O parlamento timorense aprovou esta quinta-feira na generalidade um conjunto de emendas a quatro propostas de lei necessárias para a ratificação do tratado de fronteiras com a Austrália, depois de uma maratona de debate marcada por forte contestação da oposição.

A votação na generalidade, que teve os votos contra, anunciados mesmo antes do debate, da bancada da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), ocorreu depois de vários dias de debate no plenário.

Xanana Gusmão, negociador principal do tratado com a Austrália, vários membros do Governo e o o presidente da Autoridade Nacional de Petróleo e Minerais, Gualdino da Silva, fizeram apresentações detalhadas do tratado e das suas implicações.

O debate, porém, ficou desde início marcado pela contestação da Fretilin que questionou o facto de o executivo ter aprovado o debate com cariz de urgência, acusando o Governo de não dar tempo suficiente ao debate alargado de leis importantes para o país.

A tensão ‘saiu’ do parlamento, com o secretário-geral da Fretilin, Mari Alkatiri, a comentar regularmente o debate na sua página do Facebook, com críticas duras a Xanana Gusmão e ao Governo.

O executivo e Xanana Gusmão respondiam depois no parlamento, com o debate que era essencialmente técnico a ser pontuado por momentos de grande tensão política e de trocas de críticas.

Xanana Gusmão acabou por não ficar para a votação na generalidade, saindo durante a declaração final da Fretilin que insistiu não ter tido explicações suficientes, apesar dos debates detalhes. A Fretilin pediu ainda um “processo de diálogo e consulta profunda”.

Os documentos aprovados nesta quinta-feira vão agora para as comissões antes do debate na especialidade, previsto para a próxima semana.

Em causa estão um conjunto de procedimentos necessários à ratificação do “Tratado entre a República Democrática de Timor-Leste e a Commonwealth da Austrália que Estabelece as Respetivas Fronteiras Marítimas no Mar de Timor, Aquisição de Interesses em Campos Petrolíferos e Celebração de Acordos Relativos ao Desenvolvimento dos Campos do Greater Sunrise”.

O tratado compromete Timor-Leste “a garantir a tais empresas condições equivalentes às dos termos existentes na JPDA [zona de exploração conjunta de petróleo] e das licenças australianas, uma vez que as mesmas, após aprovação do tratado, passam a operar exclusivamente em Timor-Leste”.

Isso obriga, nota o Governo, a adaptar as leis fiscais do país para “permitir que Timor-Leste possa cobrar os impostos que são devidos pelo exercício da atividade de exploração petrolífera no Mar de Timor, prevendo-se um aumento da receita fiscal, nomeadamente através da tributação de atividades petrolíferas em áreas antes partilhadas com a Austrália ou exclusivamente australianas”.

Em causa está ainda uma proposta de lei que visa estabelecer um regime laboral e migratório específico para a exploração do campo petrolífero do Bayun-Undan, “para permitir que os seus trabalhadores, timorenses e estrangeiros, possam continuar a trabalhar de acordo com as regras e melhores práticas internacionais desse setor de atividade”.

Duas outras propostas de lei adaptam a Lei das Atividades Petrolíferas e da Lei do Fundo Petrolífero ao regime resultante do novo Tratado.

O parlamento nacional timorense aprovou o prolongamento dos seus trabalhos até 15 de agosto para analisar estes diplomas que têm que ser enviados para o Presidente da República para promulgação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)