Rádio Observador

Japão

Pelo menos 33 mortos e 36 feridos em ataque no Japão

408

Um fogo deflagrou esta quinta-feira de manhã, num dos maiores estúdios de animação do Japão, depois de um homem entrar no edifício e espalhar combustível no chão. Suspeito gritou "Morram!"

AFP/Getty Images

Pelo menos 33 pessoas morreram e 36 ficaram feridas — 10 das quais com gravidade –, num incêndio num dos maiores estúdios de animação do Japão, em Quioto, segundo as autoridades da cidade, citadas pela Associated Press. O suspeito, que já foi detido, terá gritado: “Morram!”.

O número de vítimas tem vindo a aumentar nas últimas horas. O primeiro-ministro japonês já confirmou que se tratou de um ataque.

O fogo deflagrou esta quinta-feira de manhã, pelas 10h30, horas locais (2h30 em Portugal continental), depois de um homem, de 41 anos, ter entrado no edifício de três andares, espalhado um líquido ainda não identificado (mas que as autoridades presumem ter sido gasolina) e ateado fogo na conhecida produtora de cinema de animação. Não são ainda conhecidas as suas motivações. Mais de 70 pessoas estariam dentro do edifício durante o ataque.

Mais de 40 viaturas dos bombeiros deslocaram-se para o local

Segundo a Associated Press, duas pessoas terão morrido no primeiro andar do edifício, 11 no segundo e 20 no terceiro. Algumas das vítimas terão colapsado nas escadas que levam ao telhado.

Várias pessoas que estavam próximas do local relataram que ouviram uma série de explosões e viram depois diversas pessoas serem transportadas para o exterior do edifício em cobertores. As vítimas foram levadas para os hospitais de Quioto.

Há ainda registo de chamadas de emergência para os bombeiros locais, nomeadamente de pessoas a gritar “Ajudem-nos, as chamas estão a subir”.

O suspeito, cujo nome não foi revelado, já foi detido e hospitalizado por apresentar ferimentos.

“Porque é que tamanha violência teve de ser usada?”, questionou o presidente do estúdio de animação, Hideki Hatta. O responsável avança que a empresa já tinha recebido ameaças de morte anónimas, por email, embora não queira fazer ligações entre essas mensagens e o ataque.

Mais de 40 viaturas dos bombeiros deslocaram-se para o local. As operações de resgate demoraram várias horas. “Estamos a tentar resgatar as diversas vítimas que estão presas no interior do edifício de três andares, incluindo aqueles que possam não conseguir mover-se sozinhos”, disse uma fonte dos bombeiros à agência AFP, algumas horas depois do ataque.

As autoridades encontraram ainda facas no local.

O estúdio, denominado Kyoto Animation mas mais conhecido por KyoAni, foi fundado em 1981 e produz séries de animação e banda desenhada, como “Sound! Euphonium”, “A Silent Voice” e “Violet Evergarden”. Foi entretanto lançada uma campanha de crowdfunding na plataforma GoFundMe denominada “Help KyoAni Heal”, que, pelas 9h50 (hora portuguesa) já tinha angariado mais de 146 mil dólares (quase 130 mil euros). O objetivo é chegar aos 500 mil dólares (cerca de 445 mil euros).

Nas redes sociais multiplicam-se as homenagens. Uma fã diz mesmo que as produções do estúdio de animação a ajudaram “durante anos muito difíceis da vida”.

O ataque acontece cerca de três anos depois de 19 pessoas terem sido esfaqueadas por um homem, num massacre, em Tóquio.

Notícia atualizada às 14h50 com a informação do número de mortos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)