Rádio Observador

PSD

PSD diz ter margem para atualização de salários “pelo menos” à taxa da inflação

O PSD disse que utilizará o excedente de 800 milhões de euros para valorização remuneratória de funcionários públicos. Foi assegurado que "pelo menos" serão possíveis aumentos à taxa de inflação.

FERNANDO VELUDO/LUSA

O PSD afirmou esta quinta-feira que existe margem no seu cenário macroeconómico para atualizar salários pelo menos à taxa da inflação, e que utilizará o excedente de 800 milhões de euros para valorização remuneratória dos funcionários públicos atuais.

“No programa do PSD assumimos que o pessoal do Estado não aumenta. A margem para despesas com pessoal não é para colocar mais pessoas, é para remunerar melhor os atuais funcionários públicos, o que não quer dizer que não haja setores em que não possam aumentar”, afirmou Álvaro Almeida, coordenador do Conselho Estratégico Nacional do PSD para as Finanças Pública.

Numa conferência de imprensa de apresentação das linhas fundamentais do programa eleitoral do PSD para a gestão e controlo da despesa pública, Álvaro Almeida e o porta-voz da área, Joaquim Sarmento, procuraram responder indiretamente às críticas do PS de que o cenário macroeconómico do PSD abriria um buraco de 7,2 mil milhões de euros, ao prometer a redução da carga fiscal e aumento do investimento público na próxima legislatura se for Governo.

“Não há cortes de despesa no programa do PSD, há margens para aumentar despesa onde seja necessário, como no Serviço Nacional de Saúde”, exemplificou Álvaro Almeida.

Em concreto para as despesas com pessoal, o quadro macroeconómico do PSD prevê mais 800 milhões de euros para a legislatura em relação ao cenário de políticas invariantes (se nada for alterado) do Conselho de Finanças Públicas (CFP).

Ou seja, um excedente para “as políticas do PSD”, para lá do que é necessário para acomodar progressões na função pública previstas na lei e atualizar vencimentos à taxa de inflação.

Questionado como pode ser distribuído esse excedente, o coordenador do CEN assegurou que “pelo menos” serão possíveis aumentos na função pública à taxa de inflação, salientando que tal não aconteceu nos últimos quatro anos.

“Podem ser maiores? Se o crescimento económico o permitir…”, admitiu.

Por outro lado, o PSD compromete-se, no capítulo das medidas que visam tornar o Estado mais eficiente, a investir na formação dos trabalhadores do Estado e retomar “os incentivos financeiros para aumentos de produtividade desses trabalhadores”.

Questionado se os 800 milhões de euros podem servir para pagar a recuperação total do tempo de serviço dos professores, Joaquim Sarmento respondeu que “serão usados para toda a administração pública e não para uma carreira específica”.

Também na área das prestações sociais, o PSD assegura que o seu quadro macroeconómico prevê um excedente de 1.340 milhões de euros em relação ao cenário do CFP — ou seja, uma margem para além da atualização de pensões prevista na lei, que pode ser usada para aumentos extraordinários de apoios na área social, que não detalharam para já.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)