Rádio Observador

Universidades

Santa Casa da Misericórdia de Faro abre residência universitária para 16 alunas

502

A Santa Casa da Misericórdia de Faro vai abrir em setembro uma residência universitária destinada a 16 alunas da Universidade do Algarve. Pretende-se ajudar a “minorar as dificuldades” das estudantes.

O número de camas “poderá depois ser alargado, até 23 camas”

ANT

A Santa Casa da Misericórdia de Faro vai abrir em setembro uma residência universitária destinada a 16 alunas da Universidade do Algarve, ao abrigo de um protocolo a assinar na sexta-feira, revelou esta quinta-feira a instituição académica.

A nova residência universitária vai ajudar a “minorar as dificuldades” das estudantes deslocadas para conseguir alojamento a preços acessíveis no início do ano letivo e funcionar nas antigas instalações da Estrutura Residencial para Idosos da Santa Casa da Misericórdia de Faro (SCMF), na urbanização do Montinho, na zona do Alto Rodes, precisou a academia.

O provedor da SCMF, José Candeias Neto, disse à agência Lusa que este protocolo de cooperação com a universidade, com assinatura marcada para as 11h00, na urbanização do Montinho, vai “alargar a ação social da Santa Casa para outras áreas” e “exigir a prestação de novos cuidados à comunidade local, numa área inovadora”, mas na qual a instituição particular de solidariedade social “está muito interessada”.

“Tivemos de investir 38.000 euros, a Câmara comparticipou com cerca de 6.000 euros e temos de investir mais dinheiro para implementar medidas de autoproteção, mas vamos ter disponíveis na residência oito quartos duplos, com uma pequena cozinha totalmente equipada, uma lavandaria também equipada, uma mesa de convívio com mesas e cadeiras, acesso à internet e uma trabalhadora para a limpeza do espaço”, adiantou o provedor.

As 16 camas vão ocupar uma ala do piso térreo onde funcionou o lar de idosos antes de ser transferido para instalações novas na Lejã de Cima, e o valor mensal a cobrar a cada estudante rondará os “200 euros, 220 no máximo”, que é o preço “praticado nas residências universitárias”, quantificou.

O reitor da Universidade do Algarve, Paulo Águas, também falou à Lusa sobre o protocolo e disse que vão ser “disponibilizadas numa primeira fase 16 camas para alunas da Universidade do Algarve”, mas esse número “poderá depois ser alargado até 23 camas”.

“Mas, para já, são 16 camas que irão ficas disponíveis a partir de setembro”, calendarizou o reitor da UAlg, referindo que a universidade fica responsável pelo processo de admissão das estudantes e depois o processo decorre todo através da SCMF, gestora da residência.

Paulo Águas reconheceu que a UAlg “todos os anos tem pedidos de alojamento superiores à oferta” das suas 550 camas de residências universitárias e, dessas, “350 são garantidas para alunos bolseiros”.

As estudantes vão ser escolhidas para a residência da SCMF no âmbito da seleção que a universidade já faz para atribuir as suas vagas.

“Utilizaremos os mesmos critérios que utilizamos para as nossas residências e serão aquelas primeiras que não ficam nas nossas residências a ficar com essas vagas” da SCMF, precisou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Universidades

A contrainformação e o ensino superior privado

José Manuel Silva

Agarrados à ideia de que funções do Estado são serviços prestados por este, atiram-se aos privados na educação, saúde e serviços sociais, onde quer que o domínio do funcionalismo fixe votos e maiorias

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)