Rádio Observador

Manifestações

Trinta utentes dos transportes públicos manifestaram-se em Lisboa

Manifestantes exigiam mais investimento e melhorias nos transportes públicos. Foi ainda entregue um documento com propostas para a melhoria dos transportes públicos dirigido ao primeiro ministro.

“Mais navios, mais composições e melhores transportes públicos”, foram algumas das palavras de ordem

TIAGO PETINGA/LUSA

Cerca de trinta pessoas manifestaram-se esta quarta-feira em frente à residência oficial do primeiro-ministro, em Lisboa, para exigir mais investimento e melhorias nos transportes públicos, nomeadamente através da contratação de mais trabalhadores.

A ação de protesto foi promovida pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) e juntou organizações de trabalhadores do setor dos transportes, nomeadamente sindicatos e comissões de trabalhadores, organizações de utentes e outras organizações sindicais.

“Mais navios, mais composições e melhores transportes públicos”, foram algumas das palavras de ordem inscritas nos cartazes dos manifestantes.

Um dos participantes nesta manifestação foi o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, que defendeu a contratação de mais trabalhadores para aumentar a capacidade de oferta dos serviços públicos e fazer face à procura.

“Em primeiro lugar, não há prestação de serviço público sem trabalhadores. É preciso recrutar mais trabalhadores. Em segundo lugar, é preciso investir mais na renovação da frota, quer da CP quer das empresas fluviais, mas também do Metropolitano [de Lisboa] e Carris”, apontou.

O secretário-geral da GCTP defendeu ainda a necessidade de a rede do metro de Lisboa ser alargada à periferia da capital, nomeadamente ao concelho de Loures.

“A zona de Loures é uma zona de grande densidade populacional. Portanto, nós precisamos que o metropolitano lá chegue. O facto de lá chegar permite que venham mais pessoas de transporte público, impede que mais carros venham para Lisboa e também dá um bom contributo para o ambiente”, argumentou.

No mesmo sentido, o coordenador da Fectrans, José Manuel Oliveira, apontou para a “degradação do serviço de transportes na Área Metropolitana de Lisboa” e para o “elevado número de comboios, autocarros e barcos imobilizados”. “Nos últimos 14 anos reduziram-se 4.823 trabalhadores, que fazem falta para poder dar resposta a este aumento de procura que se está a verificar”, vincou.

Por seu turno, um dos utentes ouvidos pela Lusa queixou-se da falta de transportes públicos e do número de viaturas avariadas. “Verifico diariamente o autocarro que se avariou, o comboio que se avariou e não há maneira de sairmos disto”, queixou-se José Viegas.

No final da ação, uma comitiva da CGTP e da Fetrans deslocou-se ao Palácio de São Bento para entregar um documento com propostas para a melhoria dos transportes públicos ao primeiro ministro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jesus Cristo

Santos da casa também fazem milagres! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
233

Todas as casas reais peninsulares descendem do profeta Maomé. Há uns séculos, este parentesco era muito indesejável mas ainda poderá ser de grande utilidade, se a Europa for ocupada pelo Islão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)