O autor do atentado ao estúdio de anime em Quioto terá dado a entender, às autoridades, que agiu por vingança quando lançou o incêndio que levou à morte de 33 pessoas. Segundo as fontes da Jiji Press, citadas pela revista Variety, o homem — que sofreu ferimentos e está sob custódia policial — terá dito às autoridades de investigação que o estúdio se apropriou injustamente de um livro por si escrito.

Já que eles [o estúdio conhecido como KyoAni] me roubaram o meu romance, eu despejei o líquido e deitei-lhe fogo“, terá dito o homem responsável pelo ataque, cuja identidade ainda não foi revelada publicamente (apenas que tem 41 anos de idade). O homem terá gritado “morram” enquanto pegava fogo às instalações.

Ainda não terá sido possível obter muito mais esclarecimentos junto do homem que foi encontrado a poucos metros do edifício, com queimaduras graves no peito e nos membros. As autoridades estão a aguardar a recuperação clínica do suspeito para prosseguir com a investigação.

Enquanto se aguardam mais informações, a campanha de recolha de fundos na plataforma GoFundMe, já está perto de duplicar o objetivo que foi definido para a ajuda às vítimas do ataque. Já foram recolhidos cerca de 1,3 milhões de dólares (1,15 milhões de euros), pouco mais de 24 horas depois de ter sido criada a campanha (que tinha como objetivo inicial 500 mil dólares — 444 mil euros — depois revisto para 750 mil — 667 mil euros).

O fogo deflagrou na quinta-feira de manhã, pelas 10h30, horas locais (2h30 em Portugal continental), depois de um homem ter entrado no edifício de três andares, espalhado um líquido ainda não identificado (mas que as autoridades presumem ter sido gasolina) e ateado fogo na conhecida produtora de cinema de animação.

Mais de 70 pessoas estariam dentro do edifício durante o ataque. Segundo a Associated Press, duas pessoas terão morrido no primeiro andar do edifício, 11 no segundo e 20 no terceiro. Algumas das vítimas terão colapsado nas escadas que levam ao telhado.