Rádio Observador

CDS-PP

CDS quer travessia do Tejo aberta a privados (com táxis fluviais)

500

É a sétima medida do programa eleitoral do CDS: abrir travessia do Tejo aos privados, em que os passes sociais podem vigorar, admitindo empresas de táxis fluviais.

PEDRO GRANADEIRO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O CDS-PP vai propor, no seu programa eleitoral às legislativas, a abertura à concorrência dos privados da travessia do Tejo, em que os passes sociais podem vigorar, admitindo ainda empresas de táxis fluviais.

Esta é a sétima medida do programa eleitoral a ser anunciada pelo CDS, que promete divulgar, nos próximos meses, uma proposta com regularidade semanal ou de dez em dez dias e já tinha sido antecipada pela líder do partido, Assunção Cristas, numa entrevista à TVI na segunda-feira à noite.

Na proposta dos centristas, sete páginas A4 a que a Lusa teve acesso, misturam-se as justificações técnica e jurídicas com críticas à forma como o serviço da travessia fluvial tem sido feita nos últimos meses, com greves e queixas dos utilizadores.

A Transtejo assegura as ligações fluviais entre o Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão e Lisboa, enquanto a Soflusa é responsável por fazer a ligação entre o Barreiro e Lisboa, sendo ambas geridas pelo mesmo conselho de administração.

No documento, são criticadas as “intenções anunciadas” pelas empresas públicas de novas aquisições que, para o partido liderado por Assunção Cristas, servirá “apenas para substituir parte da frota envelhecida e não para melhorar o serviço”, concluindo que, face aos prazos conhecidos, “nem em 2025” haverá navios.

O CDS-PP diz querer “abrir o mercado à concorrência e a privados” e argumenta que a entrada de outros operadores, além da Transtejo e da Soflusa, não impede, à partida, a utilização dos passes sociais, e recusa que seja feito qualquer tipo de privatização.

No texto, em forma de pergunta e resposta, o partido questiona se as empresas privadas “vão poder aceitar os passes sociais” e responde: “Os passes sociais são das pessoas, não das empresas. (…) Nada impede que operador adira ao modelo de passes, se assim o entender.”

E os táxis fluviais são, para o CDS, uma hipótese, dado que os privados “podem apresentar modelos alternativos e esse é claramente um deles” e que todos teriam a ganhar com a sua introdução.

A vantagem de ter privados em concorrência com empresas públicas é que “todas têm de competir para agradar aos passageiros” e “prestar um melhor serviço”.

E dá o exemplo da TAP e da RTP, empresas públicas, que, nas suas áreas, hoje à concorrem com os privados.

Tanto a Transtejo como a Soflusa, segundo o CDS, “continuarão a cumprir as obrigações como até aqui, garantindo o serviço público a questão obrigados”.

Esta é a sétima medida do programa eleitoral para as legislativas de outubro a ser divulgada pelo CDS.

A primeira foi propor que os privados e o setor social ajudem a reduzir listas de espera para primeira consulta de especialidade, a segunda um pacote de medidas para defender o contribuinte contra os abusos da Autoridade Tributária, a terceira o alargamento gradual da ADSE a todos e “eliminar discriminações flagrantes” entre o regime dos funcionários públicos e os trabalhadores do privado.

A quarta é uma adaptação da formação profissional às necessidades da economia, a quinta a criação de um mecanismo de acerto de contas que permita a uma empresa pagar impostos com dinheiro de uma fatura em dívida pelo Estado e a sexta é reduzir em 15% a taxa efetiva média do IRS até 2023.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)