Rádio Observador

Caixa Geral de Depósitos

CGD. Deputados da Comissão de Inquérito apelam à continuação das investigações na justiça

"Houve indícios da potencial prática de diversos tipos de crimes", disse no plenário o deputado que elaborou o relatório da II Comissão Parlamentar de Inquérito ao banco público.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Vários deputados dos partidos com assento na comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD) apelaram esta sexta-feira no plenário da Assembleia da República que as investigações às práticas no banco público prossigam na justiça.

“Agora é o tempo da justiça, é o tempo das consequências, é o tempo de os factos e das responsabilidades terem as correspondentes consequências ao nível da justiça”, disse o deputado relator João Almeida, do CDS-PP, no debate do relatório da segunda comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da CGD.

O deputado que redigiu o relatório, aprovado por unanimidade na quarta-feira, afirmou ainda que “ninguém compreenderia que, tendo o inquérito parlamentar corrido como correu, […] não houvesse agora consequência para tudo aquilo que se apurou”.

“Houve indícios da potencial prática de diversos tipos de crimes, e isso num Estado de Direito não pode ser indiferente e não pode passar do tempo”, concluiu o deputado relator.

“Esperamos agora que os restantes órgãos de soberania funcionem”, acrescentou a também deputada centrista Cecília Meireles, salientando que apesar dos “indícios” a comissão parlamentar “não é […] a polícia nem é um tribunal”.

O presidente da comissão, Luís Leite Ramos, voltou a afirmar que a comissão “valeu a pena” e que o “acervo […] muitíssimo relevante” constituído nos trabalhos parlamentares e os documentos reunidos “serão agora fundamentais para as investigações do Ministério Público”.

A deputada do BE Mariana Mortágua referiu que há “uma indicação clara” ao MP “para a investigação de práticas criminais”, agora que “a comissão cumpriu o seu papel, trouxe transparência, escrutínio e rigor”.

Pelo PS, o deputado João Paulo Correia afirmou que “uma comissão parlamentar de inquérito não se substitui à justiça, aos tribunais e ao Ministério Público, e não cabe ao inquérito fazer julgamentos criminais”, e que “um relatório imparcial, factual e rigoroso” contribui “para o trabalho que cabe à justiça”.

Pelo PCP, Duarte Alves disse que “as responsabilidades criminais devem ser apuradas pelos tribunais”, e que por esse motivo o partido votou “favoravelmente a proposta do relator para que o relatório e o acervo da comissão sejam enviados ao Ministério Público”.

Já o PSD, nas palavras do deputado Duarte Marques, voltou a insistir que a gestão da CGD “foi, de facto, danosa”, uma “conclusão que não ficou no relatório final”, facto que “o PSD lamenta.”.

O deputado Duarte Pacheco encerrou o debate dizendo que “faltou coragem” aos partidos que suportam o Governo de “ir até ao fim” e afirmar que houve gestão danosa na CGD.

As intervenções de hoje não influenciam a votação já efetuada em sede de comissão parlamentar de inquérito, tendo os deputados aprovado por unanimidade o relatório da comissão às 21:20 de quarta-feira, depois de quase oito horas de debate e votações, incluindo duas horas à porta fechada.

As principais conclusões da II Comissão de Inquérito à Recapitalização e Gestão da CGD cerram fileiras contra o Banco de Portugal, que falhou na supervisão, criticam a gestão do banco, que não foi sã nem prudente, a administração de Santos Ferreira, a falta de atenção de sucessivas tutelas e a responsabilidade política do Governo de José Sócrates no “período mais crítico de 2005-2008”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)