Rádio Observador

Greve

Greve dos técnicos de diagnóstico regista adesão acima dos 85%

148

Dirigentes de quatro sindicatos deslocaram-se à Assembleia da República para "avisar" os partidos políticos que vão continuar a lutar por condições mais justas de exercício da profissão.

Na próxima semana, as direções sindicais vão reunir-se para decidir ações em tribunal e outras formas de luta, como manifestações

RODRIGO ANTUNES/LUSA

A greve dos técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica regista nesta sexta-feira uma adesão de 85% a 90% a nível nacional, chegando aos 100% em alguns serviços, disse à agência Lusa o dirigente sindical Luís Dupont. De acordo com o presidente do Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica (STSDT), em Bragança e em Almada verificam-se adesões “muito elevadas”.

Dirigentes de quatro sindicatos representativos destes trabalhadores deslocaram-se nesta sexta-feira à Assembleia da República para “avisar” os partidos políticos que vão continuar a lutar por condições mais justas de exercício da profissão e progressão na carreira. Na próxima semana, as direções sindicais vão reunir-se para decidir ações em tribunal e outras formas de luta, como manifestações.

Nesta ação, coincidente com a última sessão plenária do parlamento desta legislatura, participaram o Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica, o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública e o Sindicato Nacional dos Fisioterapeutas.

Os sindicatos estão igualmente a ponderar uma petição para levar novamente a questão das carreiras ao parlamento na próxima legislatura. O diploma que contestam, o decreto-lei 25/2019, carece ainda de regulamentação, disseram à Lusa os dirigentes concentrados junto ao parlamento.

Os técnicos superiores de diagnóstico estão esta sexta-feira em greve, pela segunda sexta-feira consecutiva.

Os técnicos tinham prometido paralisar o Serviço Nacional de Saúde, com a nova greve, e realizar uma ação de protesto na AR, entre as 10:00 e as 17:00, admitindo o recurso aos tribunais para contrariar alegadas inconstitucionalidades no processo de revisão da carreira, descongelamento, aplicação de nova tabela e contagem do tempo de serviço.

Estes profissionais consideram que, apesar de os partidos políticos reconhecerem injustiças no processo de revisão da carreira, não foi aprovada qualquer alteração na Comissão de Saúde, na sequência de iniciativas do PSD, do BE e do PCP.

“Assistiu-se por parte do PSD — que por um lado reconheceu a necessidade de alterar o decreto-lei, mas, por outro, escudou-se num projeto de resolução em que solicita a realização de um estudo prévio sobre o impacto orçamental das alterações — a um recuo estratégico o qual impediu que a revisão de carreira destes profissionais ocorra antes das próximas eleições legislativas”, segundo um comunicado do STSDT.

Este é o segundo dia de greve que o STSDT, uma semana depois de uma paralisação que teve uma adesão nacional de 85%, com os hospitais de Macedo de Cavaleiros e Bragança a atingirem os 100%.

O projeto de resolução do PSD é votado hoje à tarde no âmbito de uma apreciação parlamentar solicitada pelo BE ao decreto do regime remuneratório aplicável à carreira especial de técnico superior das áreas de diagnóstico e terapêutica.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)