Rádio Observador

Brexit

Número de portugueses que pediu estatuto de residente no Reino Unido é “muito significativo”

A comunidade portuguesa que trabalha no Reino Unido apresentou 80.900 candidaturas para beneficiar do estatuto de residente, permanente ou provisório, confirmou o Governo.

O estatuto de residente no Reino Unido é obrigatório para depois do 'Brexit'

WILL OLIVER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, destacou nesta quinta-feira o número “muito significativo” de portugueses que pediu o estatuto de residente no Reino Unido, necessário para depois do ‘Brexit’, cifrado em cerca de 80.900 candidaturas.

“É muito significativo o facto de os portugueses que se encontram no Reino Unido estarem a aderir tão positivamente ao apelo que foi desenvolvido pelas autoridades britânicas, mas também pelas autoridades consulares e diplomáticas portuguesas, para que procurassem obter o seu estatuto de residente no Reino Unido”, considerou o secretário de Estado, por telefone, a partir de Cuba, país onde faz uma visita junto da comunidade portuguesa.

José Luís Carneiro sublinhou que, no entanto, que “não há condições para afirmar quantos vão beneficiar da atribuição do estatuto de residente, permanente ou provisório”.

O secretário de Estado salientou ainda o facto de Portugal ser, neste momento, “o quarto país cujos cidadãos a viver no Reino Unido mais solicitaram o estatuto de residente”, estando atrás de Polónia, Roménia e Itália.

“É muito importante saber que estamos a caminhar para que perto de cem mil portugueses estejam a procurar obter este estatuto”, disse o responsável governamental, que estima haver cerca de 230.000 portugueses com possibilidade de requerer este procedimento.

José Luís Carneiro fez um apelo aos portugueses no Reino Unido para que façam o pedido do estatuto de residente naquele país, referindo que esta é uma condição fundamental para que se possa “aceder ao conjunto de direitos sociais fundamentais tal qual ocorre nesta altura, neste momento, quer na União Europeia, quer no Reino Unido”.

Entre agosto de 2018 e março de 2019, cerca de 18.100 portugueses entregaram o seu pedido de estatuto de residente, sendo que abril (34.300) e maio (16.800) foram os meses com maior número de cidadãos a solicitarem esta condição. No mês passado, 11.700 portugueses fizeram o mesmo pedido junto das autoridades britânicas.

O Ministério do Interior britânico anunciou nesta quinta-feira que já recebeu, no total, 861.100 candidaturas de cidadãos europeus e familiares.

O ministro do Interior, Sajid Javid, mostrou-se satisfeito com o progresso do sistema de regularização migratório para os cidadãos da União Europeia, Suíça, Noruega e Lichtenstein, aberto no âmbito do processo da saída do Reino Unido da União Europeia (‘Brexit’) e que aceita candidaturas até final do próximo ano.

O estatuto de residente no Reino Unido é obrigatório para depois do ‘Brexit’ e garante o acesso ao mercado de trabalho e serviços públicos, como a educação, saúde e serviços sociais.

O estatuto de residente permanente (‘settled status’) é atribuído àqueles com cinco anos consecutivos a viver no Reino Unido, enquanto que os que estão há menos de cinco anos no país terão um título provisório (‘pre-settled status’) até completarem o tempo necessário.

Este não é um direito automático, mas tem de ser solicitado e concedido pelas autoridades britânicas, sendo o procedimento, gratuito e feito exclusivamente através da internet.

O Reino Unido tinha previsto sair da União Europeia em 29 de março, mas este prazo foi prorrogado para 31 de outubro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)