Rádio Observador

Volta a França

Tourmalet é só para os grandes. Pinot foi ainda maior. E Alaphilippe continua a ser gigante

Tour subiu pela primeira vez acima dos 2.000 metros de altitude na emblemática chegada a Tourmalet, com Thibaut Pinot a ganhar a 14.ª etapa e Julian Alaphilippe a reforçar ainda mais a liderança.

AFP/Getty Images

Não têm faltado motivos de interesse nesta edição do Tour, dos desportivos aos mais inusitados como a fuga de Rohan Dennis, da Bahrain-Mérida, que desistiu da prova e duas horas depois ainda andava desaparecido do radar da equipa. E o contrarrelógio da 13.ª etapa onde Julian Alaphilippe reforçou a camisola amarela foi também um grande dia para acompanhar a mítica Volta à França. No entanto, não há nada como uma boa montanha para colocar também as emoções num pico. E esta era especial.

Num dos pontos que diferencia o Tour das outras provas, a edição deste ano contará com um total de seis passagens em locais a mais de 2.000 metros de altitude e este sábado era a etapa que terminava em Tourmalet que prendia todos os olhares, com os ciclistas a chegarem ao topo com menos 21% de oxigénio no sangue do que ao nível do mar. “A pressão atmosférica é mais baixa do que ao nível do mar, com isso a pressão de oxigénio nos pulmões é menor e o oxigénio passa com mais dificuldades para o sangue, o que obriga o organismo a adaptar-se”, dizia ao La Vanguardia Enric Subirats, especialista em medicina de montanha. Esta era uma etapa apenas para os grandes mas Thibaut Pinot foi ainda maior.

Como contava o El Mundo este sábado, a mais emblemática montanha do Tour nasceu de uma “mentira”: de acordo com os livros históricos da prova, Alphonse Steinés, que foi enviado pelo diretor da corrida para estudar o circuito, teve de parar o carro a quatro quilómetros do topo, subiu tudo a pé, voltou umas horas depois quase congelado numa outra zona de onde enviou uma mensagem dizendo que tinha feito o reconhecimento e que o caminho era muito bom. Henri Desgrange aceitou as recomendações acreditando que eram fidedignas, Tourmalet estreou-se mesmo em 1910 na Volta a França e por lá já passaram etapas em mais de 80 edições. Em 2018, ganhou Julian Alaphilippe; este ano, foi quase como se tivesse ganho.

Ao terminar no segundo lugar, o ciclista da Deceuninck-QuickStep reforçou ainda mais o primeiro lugar da geral individual, passando agora a contar com 2.02 minutos de vantagem sobre Geraint Thomas (Ineos), vencedor do Tour no ano passado que perdeu em Tourmalet cerca de 30 segundos para a liderança. Steven Kruijswijk, da TJV Jumbo, manteve a terceira posição a 2.14 minutos depois de ter terminado quase colado a Alaphilippe. Pinot foi mesmo o único a ganhar tempo ao camisola amarela, ocupando agora o sexto lugar a 3.12 minutos num dia onde Nairo Quintana e Adam Yates caíram do top 10.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)