Rádio Observador

Vistos Gold

Vistos gold. Investimento chinês recua 28,5% no 1.º semestre para 120,7ME

Por comparação, nos primeiros seis meses de 2018 registaram-se 168,9 milhões de euros em investimento que se traduziram na atribuição de 302 vistos dourados.

HOW HWEE YOUNG/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O investimento chinês por via de atribuição de vistos ‘gold’ recuou 28,5% no primeiro semestre, face a igual período de 2018, para 120,7 milhões de euros, de acordo com dados pedidos pela Lusa ao SEF.

Nos primeiros seis meses de 2018, o investimento de origem chinesa captado através de Autorizações de Residência para Atividade de Investimento (ARI) ascendeu a 168,9 milhões de euros, num total de 302 vistos ‘dourados’ atribuídos.

Este semestre foram concedidos 218 ARI a cidadãos da China.

Por sua vez, o investimento do Brasil captado por via dos vistos ‘gold’ totalizou 81 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, um aumento de 10,5% face aos 73 milhões de euros registados um ano antes.

Até junho foram atribuídos 111 ARI, contra 88 um ano antes.

Já um investimento de origem turca registou um decréscimo de 53% no primeiro semestre deste ano, face a igual período de 2018, para 27,5 milhões de euros.

Na primeira metade do ano foram atribuídos 52 vistos ‘gold’ a investimentos da Turquia, o que compara com 117 em igual período do ano passado.

Entre janeiro e junho, o investimento sul-africano captado através dos vistos ‘gold’ atingiu 13 milhões de euros, o que representou uma descida de 34% face ao montante angariado um ano antes, num total de 31 vistos concedidos.

Nos primeiros seis meses do ano, o investimento norte-americano suplantou o russo, que em igual período de 2018 integrava o grupo das cinco nacionalidades que mais tinham investido em Portugal através das ARI, com um montante de 17,6 milhões de euros e 27 ARI.

Neste semestre, os Estados Unidos investiram 19,7 milhões de euros, o que corresponde à atribuição de 31 ARI.

Em mais de seis anos e meio — o programa ARI foi lançado em outubro de 2012 –, o investimento acumulado até junho totalizou 4.622.042.687,16 euros, com a aquisição de imóveis a somar 4.179.555.493,41 euros.

Os vistos “dourados” atribuídos por via da transferência de capital ascendem a 442.487.193,8 euros.

Desde a criação deste instrumento, que visa a captação de investimento, foram atribuídos 7.583 ARI: dois em 2012, 494 em 2013, 1.526 em 2014, 766 em 2015, 1.414 em 2016, 1.351 em 2017, 1.409 em 2018 e 621 em 2019.

Até junho passado, em termos acumulados, foram atribuídos 7.150 vistos ‘gold’ por via da compra de imóveis, dos quais 334 tendo em vista a reabilitação urbana.

Por requisito da transferência de capital, os vistos concedidos totalizam 417 e foram atribuídos 16 por via da criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.

Por nacionalidades, a China lidera a atribuição de vistos (4.291), seguida do Brasil (764), Turquia (347), África do Sul (299) e Rússia (263).

Desde o início do programa foram atribuídas 12.874 autorizações de residência a familiares reagrupados, das quais 1.059 este ano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)