Rádio Observador

Natação

Ariarne, um diabo da Tasmânia de 18 anos que bateu a sucessora de Phelps a abrir os Mundiais

Katie Ledecky só tinha sofrido uma derrota em grandes provas individuais e nos 200m livres. Agora, no arranque dos Mundiais em Gwangju, perdeu a final dos 400m livres com Ariarne Titmus, de 18 anos.

Katie Ledecky dominou a final ao longo de 380 metros mas Ariarne Titmus conseguiu ser melhor na parte final da prova

AFP/Getty Images

Seis medalhas de ouro em 2004, oito medalhas de ouro em 2008. As primeiras duas presenças de Michael Phelps nos Jogos Olímpicos mudaram o paradigma da natação visto de fora. A partir daí, o enfoque não começou a estar no número de pódios conseguidos ou nas finais atingidas mas sim no nome que pudesse ter a alcunha de “novo Phelps”, um pouco à semelhança do que acontece no atletismo onde, mais do que descobrir quem é o rei dos 100 metros, procura-se um nome para ser o “novo Bolt”. No setor masculino, depois dos últimos Mundiais, Caeleb Dressel atingiu esse estatuto – e começou os Mundiais de 2019 com um ouro na estafeta de 4×100 livres; na parte feminina, a candidata Missy Franklin acabou por não conseguir sair de uma espiral de lesões que motivou a retirada antecipada e Katie Ledecky, de 22 anos, ficou como a menina prodígio da natação americana.

Depois dos cinco ouros e mais uma prata nos Mundiais de 2017, em Budapeste, onde sofreu a única derrota em grandes provas internacionais diante da italiana Federica Pellegrini nos 200 metros livres, o objetivo de Ledecky para a edição que arrancou este domingo em Gwangju, na Coreia do Sul, passava por melhorar o registo feito há dois anos. Ou seja, trocado por miúdos, ir a seis finais e conseguir outros tantos primeiros lugares, a começar pelos 400 metros livres onde tem o recorde mundial e em 2017 ganhara com mais de três segundos de avanço da compatriota Leah Smith. E foi logo aqui que essa meta se esfumou.

Na final realizada este domingo, a mais disputada entre as quatro deste primeiro dia, Ledecky (3.59,97) acabou por ser surpreendida por uma promessa australiana de 18 anos que se mostra cada vez mais como certeza: Ariarne Titmus, que tinha apenas um bronze em Mundiais de Piscina Longa na estafeta de 4x200m livres e dois ouros nos últimos Mundiais de Piscina Curta nos 200 e nos 400 metros (além de mais dois bronzes, nas estafetas), causou a surpresa do dia ao conquistar o triunfo com o tempo de 3.58,76, naquele que é um novo recorda da Oceânia. Leah Smith fechou o pódio da prova.

Nascida na Tasmânia, Ariarne, que conseguiu superar Ledecky nos últimos 20 metros da prova com uma ponta final fortíssima que surpreendeu a americana, mudou-se ainda nova com a família para Queensland em busca de melhores oportunidades de treino e teve como ponto alto a nível de marcas o recorde mundial dos 400 metros livres em Piscina Curta com o tempo de 3.53,92 nos últimos Campeonatos do Mundo em Hangzhou, superando o anterior registo de Wang Jianjiahe.

Nas outras finais do dia, Sun Yang conquistou mais uma medalha de ouro nos 400 metros livres, derrotando com o tempo de 3.42,44 o australiano Mack Horton (3.43,17) e o italiano Gabriele Detti (3.43,23, novo recorde transalpino); os Estados Unidos ganharam os 4×100 livres masculinos tendo na equipa Caeleb Dressel, Blake Pieroni, Zach Apples e Nathan Adrian com novo recorde em Mundiais de 3.09,06, à frente de Rússia (3.09,97) e Austrália (3.11,22); e a Austrália venceu os 4×100 livres femininos (com Bronte Campbell, Brianna Throssell, Emma McKeon e Cate Campbell) também com a melhor marca em Mundiais (3.30,21), derrotando os Estados Unidos (3.31,02) e o Canadá (3.31,78). O britânico Adam Peaty também esteve em destaque ao melhorar o seu recorde mundial nos 100 metros bruços, no decorrer das meias-finais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)