Rádio Observador

Estradas

Governo “já não tem mais desculpas” para não avançar com obras da EN 125

354

O cabeça de lista do PSD por Faro fala de uma obra "muito urgente para milhares de cidadãos que se sentem abandonados" e pede para o Governo "não cometer os mesmos erros".

A subconcessionária Rotas do Algarve Litoral (RAL) já anunciou que quer rescindir o contrato "de subconcessão do Algarve Litoral”

VASCO CÉLIO/LUSA

O Governo “já não tem mais desculpas” para não avançar com obras na Estrada Nacional (EN) 125, no Algarve, depois de a subconcessionária ter anunciado querer rescindir o contrato, disse esta segunda-feira à Lusa o deputado social-democrata Cristóvão Norte.

“A vantagem de o privado rescindir o contrato é que, a partir deste momento, o Governo já não tem mais desculpas para não avançar com a obra”, declarou o parlamentar, sublinhando que “o plano de 23 milhões [de euros] que o Governo pomposamente apresentou em janeiro de 2017 e falhou em toda a linha pode avançar”.

Na quinta-feira passada, a subconcessionária Rotas do Algarve Litoral (RAL), responsável pela EN 125, que liga o Algarve, anunciou a intenção de “rescindir o contrato de subconcessão do Algarve Litoral” e de comunicar a decisão à Infraestruturas de Portugal (IP).

A RAL alegou que, decorridos mais de dez anos sobre a assinatura do contrato de subconcessão, a IP ainda não reuniu “as condições legais para efetuar todos os pagamentos acordados entre as partes, não cumprindo dessa forma o acordado”.

O cabeça de lista do PSD por Faro nas próximas eleições legislativas considera que, agora, o Governo “pode preparar tudo para começar a seguir ao verão”, mas alerta para a necessidade de não “cometer os mesmos erros”, dado tratar-se de uma obra “muito urgente para milhares de cidadãos que se sentem abandonados”.

“Esta é a boa notícia, a má notícia é que a gigantesca fraude de 2009, em que o Governo ludibriou o Tribunal de Contas entregando-lhe criminosamente um contrato diferente do que aquele que celebrou com o privado – para obter visto prévio que de outra forma não teria, escondendo pagamentos contigentes – vai ter provavelmente que ser pago pelos portugueses”, frisou.

À Rádio Observador, Cristóvão Norte assegura que o incumprimento dos pagamentos pode dar lugar a indemnizações. Afirma ainda que as obras na EN125 estão num impasse há muito tempo e que já não se justificam as promessas por cumprir do Estado.

Após ter levantado a questão na Assembleia da República, no início de julho, na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, o deputado do PSD refere que vai enviar uma carta ao ministro Pedro Nuno Santos “a pedir-lhe que tome as providências para a obra avançar”.

O ministro das Infraestruturas admitiu que o Governo poderia vir a resgatar a obra de requalificação da subconcessão rodoviária do Algarve Litoral, depois do chumbo do Tribunal de Contas, sublinhando que a recusa do visto prévio à alteração do contrato da subconcessão criou “um problema enorme”.

O Governo prometeu que ia fazer a obra de requalificação em 2016, jurou em 2017, insistiu em 2018, garantiu em 2019 e não conseguiu sequer obter o visto prévio do Tribunal de Contas, para desespero dos utentes do troço entre Olhão e Vila Real de Santo António”, assinala Cristóvão Norte.

O parlamentar lembra que o avanço da requalificação da estrada é urgente, sobretudo no troço leste da EN 125, entre Olhão e Vila Real de Santo António, cujos utentes já tinham pedido ao Governo o resgate da obra de requalificação daquela estrada, tal como fez com o Túnel do Marão.

A RAL é a sociedade subconcessionária da conceção, projeto, construção, requalificação, financiamento, exploração e conservação dos lanços de estrada designada por “subconcessão do Algarve Litoral” em resultado do contrato de subconcessão celebrado com a IP em abril de 2009 e objeto de reforma por contrato datado de maio de 2010.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)