A missão lunar Chandrayaan-2 indiana já descolou. O lançamento daquela que será a primeira presença da nação na lua estava marcado para as 14h43 locais desta segunda-feira, isto é, às 10h14 de Lisboa. E desta vez tudo correu bem.

O lançamento esteve originalmente programado para 15 de julho, mas foi cancelado apenas 56 minutos antes da hora prevista devido a uma “falha técnica”.

No momento do lançamento, que foi transmitido em direto, Kailasavadivoo Sivan, responsável pela Organização de Pesquisa Espacial Indiana, disse que este era “o inicio de uma jornada histórica da índia para a lua”.

Se a missão for bem sucedida, a Índia vai tornar-se o quarto país a fazer uma aterragem na superfície lunar — depois dos Estados Unidos, China e da antiga União Soviética.

A Chandrayaan-2 — que significa “veículo lunar” — pesa 3,8 toneladas e iria levar dois meses a chegar à lua. É a sucessora da Chandrayaan-1, a primeira missão lunar indiana, que remonta a 2008. Na altura, a missão ajudou a comprovar a presença de água na lua, mas não chegou a aterrar na superfície.

Com esta missão, a Índia pretende explorar o lado sul da lua, algo inédito. Quando descolar, o robô Pragyan — que significa “sabedoria” — vai passar duas semanas a explorar este terreno em busca de informação acerca da composição mineral e química da Lua. Ao mesmo tempo, a missão vai tentar procurar água na superfície lunar.

Esta missão é de elevada importância para a Índia, já que o país pretendem voltar a colocar o homem na lua na missão Chandrayaan-3, que está programada para 2023 – 2024.