Rádio Observador

Brexit

Três ex-primeiro-ministros britânicos alertam Boris Johnson para risco de saída da União Europeia sem acordo

Gordon Brown fala em "ato de autoflagelação económica". Tony Blair defende um novo referendo e John Mayor alerta para possíveis "danos económicos e sociais". Johnson pode suceder a May já esta quarta.

Getty Images

Três antigos primeiros-ministros britânicos, John Major, Gordon Brown e Tony Blair, alertaram esta segunda-feira individualmente Boris Johnson, favorito para suceder a Theresa May, para o risco de continuar a defender um Brexit sem acordo.

Palavras e ações têm consequências, e mais do que nunca quando são as do primeiro-ministro. À medida que os sinais se acumulam dos prováveis danos económicos e sociais de um Brexit “sem acordo” – e da crescente oposição a ele – o novo primeiro-ministro deve escolher se será o porta-voz de uma fação ultra-Brexit, ou o servidor da nação que lidera”, avisou esta segunda-feira, num comunicado, o conservador John Major.

O trabalhista Gordon Brown invoca, num artigo publicado no jornal The Guardian, que a maioria dos britânicos está convencida de que a saída do Reino Unido da União Europeia vai ter consequências negativas para o país. “Quando futuros historiadores olharem para trás, ficarão chocados ao descobrir como tal ato de autoflagelação económica, que contraria totalmente o interesse nacional, poderia ser descrito por NigelFarage e Boris Johnson como o auge do patriotismo e críticas de qualquer parte do mundo desvalorizadas como uma traição”, escreveu o escocês.

Já Tony Blair reiterou a defesa de um novo referendo para tentar sair do impasse existente no parlamento. Blair considera que o referendo de 2016 que ditou o ‘Brexit’ não é um mandato para uma saída sem acordo, pois, lembrou, na altura foi garantido que um acordo de saída seria fácil de obter.

Mesmo antes de se tornar primeiro-ministro esta semana, Boris Johnson já se fechou num Brexit sem acordo. Se ele não recuar da posição de negociação declarada, ele vai falhar. Nesta situação, ele pode tentar forçar uma saída sem acordo, desafiando o parlamento, convocar uma eleição ou voltar a perguntar à população num referendo entre uma saída sem acordo ou a permanência [na União Europeia]”, escreveu no diário The Times.

Boris Johnson é o favorito para ser declarado líder do partido Conservador na terça-feira e, consequentemente, ser nomeado primeiro-ministro na quarta-feira, sucedendo a Theresa May.

Os cerca de 160 mil militantes do partido Conservador têm até às 16h00 (mesma hora em Lisboa) para fazer chegar o voto postal, hora após a qual será iniciado o processo de contagem dos boletins.

Durante a campanha para a liderança dos conservadores, disputada com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Jeremy Hunt, Boris Johnson reiterou a determinação em concretizar o processo do ‘Brexit’ até ao prazo de 31 de outubro, admitindo a hipótese de uma saída sem acordo se Bruxelas não aceitar alterações à solução para a Irlanda do Norte, designada por backstop.

Esta segunda-feira, na coluna semanal para o diário Daily Telegraph, o antigo Mayor de Londres qualifica de “pessimistas tecnológicos” aqueles que não acreditam na existência de soluções tecnológicas para evitar uma fronteira física entre a província britânica e a vizinha República da Irlanda

“Está na hora de este país recuperar algum espírito de boa vontade. Podemos sair da UE em 31 de outubro e, sim, certamente temos a tecnologia para isso. O que precisamos agora é da vontade e de garra”, escreveu Johnson.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)