A Indonésia pretende converter em 2020 a ilha de Komodo numa zona de conservação mundial dos dragões, espécie de lagarto. O objetivo é proibir o turismo na zona durante um ano para recuperar as populações de búfalos e veados, que são o alimento desta espécie. A medida entra em vigor em janeiro do próximo ano.

Esta é maior espécie de lagartos do mundo. O dragão de Komodo têm três metros de comprimento e estão classificados como animais vulneráveis pela União Internacional para a Conservação da Natureza.

Segundo o chefe da secretaria regional da Província de Nusa Tenggara Oriental, Ardu Jelamu, o turismo massivo e a caça furtiva “provocam a agressividade” dos dragões. “Queremos encerrá-la para a conservar”, acrescenta Ardu em declarações ao La Vanguardia. O parque nacional de Komodo é uma zona declarada património da Humanidade pela UNESCO. É a casa de mais de 5000 destes lagartos.

O Governo pretende gastar 6,4 milhões de euros para restaurar a fauna e a flora da ilha e para construir infraestruturas que ajudem a proteger o ecossistema terrestre e marinho. No entanto, muitos dos residentes da ilha de Komodo não estão de acordo com a decisão do governo. Os moradores consideram que vão ser privados do seu sustento ligado ao turismo.