Rádio Observador

Diplomacia

Novo embaixador do Irão em Portugal desvaloriza suspensão de vistos

Morteza Damanpak Jami não deu importância à suspensão de vistos iranianos em Portugal. Afirma que não está relacionada com a segurança da embaixada.

O novo embaixador do Irão em Lisboa desvalorizou o caso da suspensão de vistos a cidadãos iranianos por parte de Portugal

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O novo embaixador do Irão em Lisboa, Morteza Damanpak Jami, desvalorizou esta terça-feira o caso da suspensão de vistos a cidadãos iranianos por parte de Portugal, embora admitindo que seria preferível que não tivesse acontecido.

“Esta é uma questão normal, que acontece, embora preferíssemos que não tivesse acontecido”, declarou o diplomata aos jornalistas na sua residência oficial.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, anunciou na semana passada a suspensão de vistos a cidadãos iranianos devido às “condições de funcionamento da secção consular” em Teerão.

Depois de anunciar a medida na comissão parlamentar dos Negócios Estrangeiros, Santos Silva esclareceu numa nota que a decisão “em nada resulta de uma avaliação sobre as condições gerais de segurança na República do Irão, ou qualquer outro aspeto de natureza institucional ou política”.

“Enquanto essa suspensão durar, será a embaixada de Espanha a representar Portugal para a emissão de vistos para que a circulação das pessoas não fique perturbada”, disse ainda o chefe da diplomacia portuguesa.

Morteza Damanpak Jami considerou que a interpretação feita inicialmente das declarações de Santos Silva “foi de certo modo uma interpretação errada porque depois o ministro lançou um comunicado e clarificou o significado da quebra de segurança na embaixada”.

“Posso clarificar novamente que nada aconteceu em termos da segurança da embaixada“, adiantou.

O embaixador disse ainda que nos contactos com as autoridades portuguesas percebeu-se que se trata da “segurança do processo de emissão de vistos, não da segurança física da embaixada”.

O diplomata iraniano referiu-se a “um assunto técnico menor” que Portugal está a resolver, adiantando ter sido informado de que “o processo deve estar concluído no final deste ano”.

Damanpak Jami considerou que “o regime interino” decidido pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, de Espanha representar Portugal para a emissão de vistos a cidadãos iranianos, resolve o problema de turistas ou estudantes que possam precisar de autorização de entrada no país.

Confiante de que a situação se vai resolver “muito em breve”, o embaixador negou que ela possa afetar as relações bilaterais entre o Irão e Portugal, que classificou de “amistosas”.

Morteza Damanpak Jami, que apresentou as suas credenciais de embaixador ao Presidente da República na semana passada, disse aos jornalistas que o seu “principal objetivo” no novo posto “é fazer o melhor que puder para desenvolver as já amistosas relações entre o Irão e Portugal“.

Diplomata com 30 anos de carreira, Damanpak Jami esteve antes como embaixador na Etiópia e na Dinamarca.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)