Rádio Observador

Parlamento

Parlamento com 108 reuniões plenárias e 1.098 reuniões de comissões

Os deputados passaram mais de 318 horas em plenário, o equivalente a mais de 13 dias consecutivos. Contam ainda 3.153 horas em reuniões de comissão. Comissões de inquérito totalizaram 177 reuniões.

Autor
  • Agência Lusa

O Parlamento realizou, na quarta e última sessão legislativa, 108 reuniões plenárias e 1.098 reuniões de comissão, segundo o balanço provisório da atividade parlamentar disponibilizado esta terça-feira pela Assembleia da República.

Traduzido por horas, os deputados passaram mais de 318 horas em plenário — o que seria equivalente a mais de 13 dias consecutivos – , e 3.153 horas — mais de quatro meses — em reuniões de comissão.

Destaque para as comissões de inquérito, que totalizaram 177 reuniões, com mais de 536 horas de trabalho.

Em comparação com a anterior sessão legislativa, realizou-se mais uma sessão plenária e mais 109 reuniões de comissão.

A quarta sessão legislativa teve início no dia 15 de setembro de 2018 e o último plenário realizou-se na passada sexta-feira, dia 19 de julho.

Em termos de género, o balanço provisório da Assembleia da República aponta que entre a primeira sessão legislativa e o último plenário aumentou o número de mulheres, de 75 para 82, ou seja, as deputadas passaram de 33% para 36%.

Apesar do aumento, estes números ficam abaixo da representação mínima de 40% de um género, aprovada na nova Lei da Paridade, e que já se aplica às legislativas de 6 de outubro.

Governo e administração pública apenas responderam a 48% das perguntas dos partidos

Das 2.823 perguntas apresentadas ao Governo e à Administração Pública, os partidos apenas viram respondidas 1.366 na quarta e última sessão legislativa da Assembleia da República, o que coloca a taxa de resposta nos 48%, foi anunciado no mesmo balanço.

Transitaram para esta sessão 240 perguntas, mas foram formuladas 2.583 novas questões pelos partidos representados no parlamento. “Deste conjunto (2.823), 1.366 foram respondidas até ao dia 19 de julho de 2019”, quando decorreu a última sessão plenária da legislatura.

Estes números representam “uma taxa de resposta na ordem dos 48%, tendo ficado por responder 1.429 perguntas” por parte do Governo e da Administração Pública, indica o documento.

Nesta sessão legislativa registam-se também 28 perguntas que foram devolvidas e retiradas, refere o parlamento.

Este balanço lembra que “as perguntas são instrumentos de fiscalização e atos de controlo político”, que podem ser apresentados pelos deputados ao Governo e à Administração Pública, “estando estes obrigados a responder no prazo de 30 dias”.

O partido que mais perguntas formulou na última sessão legislativa foi o PCP, com 718 (às quais de juntam 25 que transitaram da anterior sessão). Deste total, 355 foram respondidas. A seguir, o BE apresentou 619 perguntas, mais 153 da anterior sessão. Os bloquistas foram a força política que mais respostas obteve — 375.

Das 435 questões do PSD (mais sete que transitaram), 200 foram respondidas pelo Governo e pela Administração Pública.  Já o CDS-PP, das 391 perguntas apresentadas (mais 33 que transitaram), viu respondidas 205.

O PAN formulou nesta sessão 222 perguntas, 122 das quais foram respondidas, enquanto o PEV, das 117 apresentadas (mais cinco que transitaram), recebeu 64 respostas.

O PS foi o partido que menos questões apresentou, 80, às quais se juntam 17 da sessão anterior. Destas, 44 foram respondidas pelo Governo e pela Administração Pública.

No capítulo da fiscalização, este balanço provisório divulgado hoje apresenta ainda dados relativos aos requerimentos, notando que é “um dos instrumentos de fiscalização política mais utilizado pelos parlamentares”.

Os requerimentos “destinam-se a obter informações, elementos e publicações oficiais que sejam úteis para o exercício do mandato”, podendo “ser dirigidos a qualquer entidade pública”.

Este balanço da atividade parlamentar indica que “transitaram para a atual sessão legislativa um total de 1.098 requerimentos”, aos quais se juntam “1.626 novos requerimentos” apresentados pelas forças políticas.

“Deste total (2.2724), até ao dia 19 de julho de 2019 foram respondidos 1.347 requerimentos, o que representa uma taxa de resposta de 49,4%”, lê-se no balanço dos servidos, que especifica que 576 requerimentos foram dirigidos à administração central, 2.049 à administração local, 98 a entidades independentes e apenas um às regiões autónomas.

Deste total, a administração central respondeu a 87, a administração local deu resposta a 1.217 requerimentos e as entidades independentes responderam a 43 destas solicitações.

O partido que mais requerimentos apresentou nesta sessão legislativa foi o CDS-PP (729), seguindo-se o PSD (451) e o BE (368).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)