Rádio Observador

Angola

Angola defende séria aposta de cooperação na CPLP para baixar taxa de demprego juvenil

A cooperação entre os Estados-membros da CPLP poderá ajudar a fomentar a atividade agrícola e industrial, diz ministra. Um em cada quatro jovens com idades entre os 15 e 24 anos está desempregado.

A posição foi partilhada por Carolina Cerqueira na abertura da XII Conferência de Ministros da Juventude e Desportos da CPLP

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A ministra de Estado para a Área Social de Angola defendeu esta quarta-feira a necessidade de uma séria aposta da cooperação na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) para baixar a taxa de desemprego juvenil na comunidade.

A posição foi expressa por Carolina Cerqueira quando discursava na abertura da XII Conferência de Ministros da Juventude e Desportos da CPLP, que se realiza nesta quarta-feira em Luanda, capital de Angola.

Carolina Cerqueira referiu que a questão do desemprego atinge “lamentavelmente” números acima do admissível no seio da comunidade, sendo os jovens os mais atingidos e os mais marginalizados.

Segundo a ministra de Estado para a Área Social de Angola, o desemprego juvenil atinge um em cada quatro jovens com idades entre os 15 e 24 anos.

“Estes dados apontam para a necessidade de criação de emprego dos nossos países e para isso é preciso investir mais no setor produtivo e na geração de riqueza e a banca deve cumprir o seu papel de financiamento da atividade empresarial dirigida à juventude”, salientou a governante angolana.

Para a ministra angolana, a cooperação entre os Estados-membros da comunidade poderá ajudar a fomentar a atividade agrícola e industrial, garantindo ao mesmo tempo o fomento da atividade empresarial privada como maior geradora de emprego estável.

O alto índice de desemprego tem sido para muitos jovens, prosseguiu Carolina Cerqueira, a causa por que se refugiam “em atividades marginais e até muitas vezes na criminalidade”, sendo também uma nova opção a imigração.

“Tendo em conta esta realidade que nos atinge, gostaria de reforçar aqui a necessidade de uma mais séria aposta na cooperação no seio da CPLP, com investimentos nos países com maior taxa de desemprego juvenil, nomeadamente Angola, Moçambique, Cabo Verde, Brasil e São Tomé e Príncipe”, sublinhou.

Por sua vez, o representante do Secretário Executivo da CPLP ao encontro, Manuel Lapão, considerou necessária a urgente promoção da educação e da formação voltadas para o mundo em profunda transformação.

“Precisamos de preparar os jovens para um mercado de trabalho que já é e será ainda mais profundamente distinto daquilo que conhecemos”, disse Manuel Lapão.

Na sua intervenção, Manuel Lapão deixou também algumas sugestões, que considerou igualmente desafios, nomeadamente uma cada vez mais intensa ligação da CPLP, fundamentalmente por via da sua secretaria geral da conferência de ministros e também do secretariado executivo com outros espaços multilaterais e de integração regional.

“Os avanços que se verificam no diálogo entre a CPLP e o organismo Ibero americano para a juventude, bem como a organização internacional da francofonia e a Commanuelth são prova dessa capacidade e deve apoiar-nos numa reflexão sobre o potencial inerente à estas parcerias”, disse Manuel lapão.

Por outro lado, apontou também a possibilidade de potenciar esse diálogo com os 19 observadores associados da CPLP e com os seus observadores consultivos, que já somam hoje mais de 80 organizações, o que irá permitir alargar parcerias com redes influentes de diferentes áreas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Novo Acordo Ortográfico

Uma comunidade às avessas

José Augusto Filho

Da forma em que foi conduzido, o Acordo serve mais para enfraquecer a língua de Camões do que para disseminá-la. Quanto aos ganhos políticos e económicos esperados, foram até agora praticamente nulos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)