Rádio Observador

Benfica

Hacker Rui Pinto suspeito de invadir o email do juiz Carlos Alexandre

652

O Ministério Público suspeita que o hacker acedeu ilegalmente ao email do TIC. Carlos Alexandre terá sido um dos afetados. Juiz já foi ouvido como testemunha. Rui Pinto reagiu no Twitter.

Rui Pinto pode ter acedido a dezenas de endereços eletrónicos do Ministério da Justiça

RODRIGO ANTUNES/EPA

Rui Pinto, o informático suspeito de aceder ilegalmente e revelar emails privados do Benfica na página Football Leaks, também é suspeito de ter entrado no email do juiz Carlos Alexandre, responsável por casos como a Operação Marquês ou o Caso BPN. De acordo com a investigação da Sábado, que cita uma fonte próxima da investigação, Rui Pinto pode ter acedido a dezenas de endereços eletrónicos do Ministério da Justiça, inclusivamente do juiz. O hacker terá também acedido aos segredos do processo da Operação Marquês, que tem Sócrates como arguido, e ao processo BES, que tem como protagonista Ricardo Salgado, adianta esta quinta-feira o Correio da Manhã.

Segundo as suspeitas do Ministério Público, Rui Pinto terá usado o email de um funcionário judicial – também ele considerado uma vítima neste caso como “porta de entrada” para as outras contas, a que acedeu pelo menos uma vez, a 8 de janeiro do ano passado. Carlos Alexandre já foi ouvido como testemunha pelas procuradoras Vera Camacho e Patrícia Barão, porque o email que o juiz usa no Tribunal Central de Instrução Criminal foi um dos endereços eletrónicos afetados.

Rui Pinto também terá tido acesso, em tempo real, a informação relativa aos casos mais sensíveis a cargo de Carlos Alexandre: processo Marquês e Caso BES. Os ficheiros continuam encriptados, pelo que as autoridades não sabem a que informações acedeu.

O fundador do Football Leaks, que está em prisão preventiva desde que foi extraditado da Hungria por suspeitas de extorsão, também pode ter pirateado emails de procuradores e de funcionários da Administração Interna, nomeadamente de Amadeu Guerra, antigo diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), revelando emails que tinha trocado com Joana Marques Vidal, procuradora-geral da República na época. Maria José Morgado, ex-procuradora geral distrital de Lisboa, também terá sido afetada.

Rui Pinto está a ser julgado no âmbito do processo E-Toupeira. O mandado de detenção foi emitido pelas autoridades depois de se ter descoberto que o hacker português alegadamente tinha acedido aos servidores da PLMJ Advogados. Essa é a sociedade que defende o Benfica nesse mesmo processo, mas a maior parte dos ficheiros a que Rui Pinto alegadamente acedeu faziam parte da Operação Marquês e do Caso EDP. Perante essa suspeita, o Ministério Público terá acelerado a detenção de Rui Pinto.

“E Eu cá estarei; para continuar a denunciar”

Entretanto, Rui Pinto publicou, na sua conta do Twitter, uma reação, acusando os elementos ligados à investigação de se dedicarem a “esvaziar” o impacto das revelações do Football Leaks e das suas denúncias.

“Esta campanha de intoxicação da opinião pública, construída com base em violações seletivas do Segredo de Justiça, misturadas com calúnia e difamação, tem um objetivo muito claro: branquear a falência moral das Instituições Judiciais”, escreveu Rui Pinto.

O hacker acusa a justiça portuguesa de proteger a corrupção e a evasão fiscal, mas, mesmo que Portugal desvalorize as investigações, outros países vão investigar.

“Perseguem denunciantes, movem todos os esforços para sabotar investigações internacionais, arquivam 94% dos casos de corrupção, ignoram denúncias anónimas, violam direitos fundamentais e recusam reconhecer diretivas europeias e Convenções Internacionais (…) Mas nem tudo são más notícias. Como disse Eva Joly: ‘Mesmo que Portugal não investigue, essas informações serão investigadas por outros países’. E Eu cá estarei; para continuar a denunciar”, conclui assim Rui Pinto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)