Rádio Observador

Nissan

Austrália. Nissan critica investimento em baterias

A Nissan é dos poucos fabricantes de eléctricos que produz as suas baterias. É também um dos que fomenta a utilização dos Leaf como sistemas de armazenagem. Porém, criticou a Austrália fazer o mesmo.

A Nissan foi o segundo construtor a avançar para a fabricação de baterias (de packs, mas também de células – o que é menos vulgar), logo a seguir à Tesla. A opção não lhe correu particularmente bem, uma vez que a tecnologia que usa não é a mais recente. Daí que a Renault, a sua parceira e maior accionista, tenha optado por comprar células à LG Chem.

Por este e outros motivos, desde há muito que o construtor japonês tenta vender a sua fábrica de baterias, a AESC (Automotive Energy Supply Corporation), que detém em colaboração com a NEC. Mas a ausência de um final feliz das negociações tem levado os nipónicos a continuar a manter a laboração, mesmo se isso implica montar no novo Leaf acumuladores que não aceitam carga rápida, a 100 ou 150 kW, nem possuem refrigeração líquida, para suportar esforços superiores.

Contudo, nada impediu a Nissan de ser a primeira a propor um sistema de V2G (Vehicle to Grid), que permite que automóveis eléctricos armazenem energia quando ela é barata, para depois a fornecerem à casa ou à rede eléctrica sempre que tal é necessário, conseguindo ainda que o proprietário do Leaf ganhe dinheiro com isso.

Posto tudo isto, foi com alguma surpresa que os presentes na apresentação da segunda geração do Leaf, na Austrália, ouviram o responsável global pelos veículos eléctricos da Nissan, Nic Thomas, criticar o enorme investimento realizado pelos australianos num gigantesco pack de baterias estacionárias, em Hornsdale. Na realidade, quem investiu não foi o Governo local, mas sim uma empresa bem conhecida dos portugueses, a Neoen, empresa francesa gigantesca na área da energia que, além de centrais nucleares e barragens, possui ainda centrais fotovoltaicas e eólicas espalhadas pelo mundo, inclusivamente em Portugal.

Defendeu Nic Thomas que o parque de baterias adquirido à Tesla, com uma capacidade de armazenamento de 129 MWh (equivalente a 1.290 unidades do Tesla Model S 100D, ou 3.225 do Nissan Leaf com bateria de 40 kWh), era “um completo desperdício de recursos”. Isto vindo de um fabricante que anunciou, com pompa e circunstância, a ‘nobreza’ do investimento num parque de baterias com a capacidade de 3 MWh para iluminar o estádio do Ajax, na Holanda, recorrendo ao equivalente a 148 Leaf, segundo a Nissan.

Defende Thomas que o ideal era reunir condições para que os utilizadores de veículos eléctricos, idealmente Leaf e Zoe, os únicos que de momento já oferecem esta possibilidade, colocassem os seus automóveis V2G ao serviço da rede eléctrica australiana. O que até pode acontecer dentro de uns anos – é mesmo desejável –, mas ambicionar que estivessem já em operacionais, como estão os acumuladores de Hornsdale é, no mínimo, utópico. A Austrália necessitava de uma solução há um ano e, de momento, há apenas redes eléctricas inteligentes experimentais – uma delas em Porto Santo, no arquipélago da Madeira, que não passam disso mesmo: experimentais.

O espanto suscitado pela afirmação de Thomas prende-se com o facto de tanto a Neoen como o Governo australiano terem confirmado os ganhos alcançados graças aos acumuladores de Hornsdale que, de acordo a Neoen, permitiram um encaixe de 17 milhões nos primeiros seis meses de funcionamento, o que aponta para um break-even a dois anos, prazo inverosímil de início. Veja aqui como funciona o V2G:

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)