O incêndio que deflagrou na noite desta quarta-feira numa fábrica de madeiras na zona industrial de Padreiro, Arcos de Valdevez, foi dominado cerca da 01:00 desta quinta-feira, informou o comandante operacional distrital (CODIS) de Viana do Castelo.

Em declarações aos jornalistas junto ao posto de comando instalado nas imediações da fábrica, Marco Domingues adiantou que “os trabalhos de consolidação vão prolongar-se por alguns dias devido à carga [combustível] acumulada no interior” do espaço. O responsável da Proteção Civil distrital referiu que deste incêndio resultou um ferido ligeiro, um bombeiro que sofreu uma entorse, e que foi transportado para o Hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo.

O CODIS afirmou que “alguns meios estão a ser desmobilizados” face à situação feita neste último balanço. “Podemos garantir que não há risco de propagação às indústrias contíguas”, declarou Marco Domingues, acrescentando que o fogo, cujas causas não são ainda conhecidas, “destruiu completamente a fábrica que se encontrava encerrada e sem ninguém no seu interior quando as chamas deflagraram”.

Ao local acorreram 14 corpos de bombeiros dos distritos de Viana do Castelo e Braga, num total de 130 operacionais apoiados por 39 veículos, além de INEM e GNR.

Testemunhas no local falaram em explosão. No local estiveram 135 bombeiros no local, apoiados por mais de 30 viaturas, tendo sido solicitado ainda reforço de meios ao distrito de Braga.

A ARCOS TV, televisão local, transmitiu imagens do local em direto no Facebook.

Incêndio em carpintaria na zona industrial de PadreiroArcos de Valdevez!

Posted by Arcos TV on Wednesday, July 24, 2019

Ainda antes de o incêndio estar dominado, e questionado sobre a eventual propagação das chamas à creche da zona industrial de Padreiro, Marco Domingues rejeitou essa possibilidade, reforçando que a prioridade é a proteção de “todo o edificado da envolvente”.

Sobre a ocorrência de alguns rebentamentos, disse não serem “alarmantes”, garantindo ser “natural que venham a ocorrer outros por poderem ainda existir no interior da fábrica alguns recipientes”.