A Sands China, que opera casinos em Macau, anunciou nesta quinta-feira lucros de 511 milhões de dólares (cerca de 459 milhões de euros) no segundo trimestre, um aumento de 19,7% comparativamente ao período homólogo de 2018.

Em comunicado, a Sands China, subsidiária do grupo Las Vegas Sands, apresentou receitas de 2,14 mil milhões de dólares, o que representa uma subida de 1,4% em relação ao segundo trimestre do ano passado.

Em Macau, onde opera cinco casinos, a empresa registou um EBITDA (resultados antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) ajustado de 765 milhões de dólares, um aumento de 2% em relação ao segundo semestre do ano passado.

O principal empreendimento do grupo, o Venetian, voltou a ser aquele que registou as receitas de jogo mais significativas: 698 milhões de dólares, ou mais 3,1% comparativamente a igual período do ano anterior.

Ao todo, o grupo Las Vegas Sands registou lucros de 954 milhões de dólares no primeiro trimestre do ano, contra 556 milhões de dólares no segundo trimestre de 2018.

“Continuamos entusiasmados com as nossas oportunidades de crescimento na Ásia, reforçadas com o lançamento do Four Seasons Tower Suites Macau ainda este ano e do The Londoner Macau ao longo de 2020 e 2021”, afirmou o presidente do grupo, Sheldon Adelson, citado no mesmo comunicado.

Os casinos de Macau, único local da China onde é legal jogar em casino, fecharam o mês de junho com receitas brutas de 23,8 mil milhões de patacas (2,6 mil milhões de euros), mais 5,9% em relação ao período homólogo de 2018.

Contudo, as receitas brutas acumuladas nos primeiros seis meses do ano diminuíram 0,5% em relação a 2018, de acordo com os dados divulgados pela Direção de Inspeção e Coordenação de Jogos (DICJ).

Na capital mundial do jogo operam seis concessionárias e subconcessionárias: Sociedade de Jogos de Macau, fundada pelo magnata Stanley Ho, Galaxy, Venetian, Melco Resorts, Wynn e MGM.