O vídeo mostra mais de 2 minutos de uma ação que parece ter sido estudada ao pormenor. Uma carrinha, que passa por viatura da Polícia Federal, surge nas imagens e trava. Dela sai um refém em conjunto com dois homens encapuzados, que rapidamente começam a orientar os funcionários do Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, Brasil.

Poucos segundos depois, mais dois homens encapuzados saem da carrinha e juntam-se ao grupo. Todos eles estão disfarçados com fardas da Polícia Federal, distintivos, pistolas e carabinas.

Na carrinha, que fica estacionada de portas abertas, o grupo começa a colocar a carga: cerca de 750 quilos de ouro, um valor que, dizem vários meios de comunicação brasileiros, pode ascender a uma tonelada. Contabilizando apenas os 750 quilos já confirmados pela GRU Airport, concessionária que administra o aeroporto, falamos de 113 milhões de reais (mais de 26 milhões de euros).

O roubo, que aconteceu às 14h30 horas locais de quinta-feira (19.30 horas em Lisboa), só foi possível porque os assaltantes mantiveram um funcionário do aeroporto e a sua família como reféns desde a tarde de quarta-feira, conseguindo, através deles, acesso a informações privilegiadas.

Durante a fuga, os assaltantes abandonaram as carrinhas no Jardim Pantanal, na Zona Leste de São Paulo, segundo o jornal G1. Depois, utilizaram uma ambulância para transportar o ouro. Pretendiam que a carga chegasse a Zurique, na Suíça, e a Nova Iorque, nos EUA.

Apesar da dimensão do assalto, a GRU Airport confirmou que o embarque e desembarque de passageiros não está condicionado e que não houve tiroteios ou feridos.

O episódio já chegou a elementos do governo. O governador de São Paulo, João Doria, garantiu numa publicação de Facebook que “as forças de segurança de São Paulo estão mobilizadas” e que não vão “descansar até que os bandidos sejam presos”.

Pessoal, estamos em reunião com toda a cúpula da Segurança Pública do Estado de São Paulo, que está atuando em conjunto…

Posted by João Doria on Thursday, July 25, 2019