Rádio Observador

Dicas Auto

Se vai fazer uma viagem longa, não coma… tomates

Sono, fadiga, nervosismo ou desconforto estomacal, fruto de uma alimentação inadequada, afectam a atenção e aumentam o risco de acidente. Saiba o que não ingerir se tem pela frente muitos quilómetros.

Tal como é habitual nesta altura do ano, em que muitos condutores se preparam para passar horas ao volante rumo ao seu destino de férias, a Seat procura dar o seu contributo para uma maior segurança na estrada, fornecendo dicas aos automobilistas. Depois de, em 2018, a marca espanhola do Grupo Volkswagen ter alertado para a importância do ar condicionado em longas viagens, este ano, a Seat recorre à médica Mari Carmen López para explicar até que ponto a alimentação pode interferir na atenção do condutor e, por tabela, aumentar o risco de acidentes rodoviários.

Segundo a especialista da Seat Cars, quem tem pela frente muitos quilómetros deve evitar ingerir alimentos que possam contribuir para a sonolência, fadiga, nervosismo ou desconforto estomacal ao volante. Fritos e batidos, molhos e especiarias devem ser evitados, da mesma maneira que o arroz, os legumes e as massas também podem converter-se em obstáculos para uma condução segura. Isto porque conduzir não requer uma ingestão extraordinária de calorias – “é uma actividade que envolve um desgaste energético entre 1.000 e 1.300 calorias, semelhante a estar em repouso -, razão pela qual não se deve abusar nos hidratos de carbono. “Eles provocam peso no estômago. Além disso, são rapidamente absorvidos para que a sensação de fome volte imediatamente”, alerta a médica. E até alimentos saudáveis, num contexto de uma longa viagem, podem ser uma fonte de desconforto – com a desatenção que isso implica. Será o caso dos “cítricos, cebolas e tomates” que, em excesso, “podem causar acidez, por isso é melhor não abusar deles durante um dia de condução”.

Um menu que evita digestões pesadas e desconfortáveis

  • Pequeno-almoço: duas torradas com presunto ou queijo, peça de fruta, café ou chá
  • Lanche da manhã: uma sandes de legumes e água
  • Almoço: salada, carne ou peixe grelhados ou assados, fruta, água e café ou chá
  • Lanche da tarde: fruta, iogurte e água

Mari Carmen López recomenda (menu ao lado) que se coma pouco, mas muitas vezes. Desde logo porque está demonstrado que, depois do almoço, por exemplo, o desempenho diminui 10%. Daí o conselho: “É preciso aproveitar cada paragem para comer em pequenas quantidades, e mesmo assim, depois da paragem principal, fazer uma caminhada de 15 minutos ou dormir uma sesta para descansar.”

A água é o melhor aliado do condutor. Segundo a médica da Seat Cars, “a desidratação pode levar a tonturas, vómitos e, em casos mais extremos, à perda de consciência”. Condutores com uma hidratação insuficiente, de acordo com um estudo da Universidade de Loughborough (Reino Unido) e do Instituto Europeu de Hidratação, cometem erros semelhantes aos daqueles que acusam um nível de álcool no sangue de 0,8 g/l. Ou seja, como se tivessem bebido mais de quatro copos de vinho. Saídas não intencionais da faixa de rodagem, travagem tardia ou a transposição da linha da berma são os erros mais frequentes.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)