Rádio Observador

Crítica de Livros

A história de Yerney é a mais triste do mundo

Expulso da casa que construiu com as próprias mãos, Yerney, personagem marcante de Ivan Cankar, embarca numa viagem em busca da Justiça. Não é capaz de a encontrar porque foi escondida pelos homens.

Ivan Cankar é considerado a figura mais marcante da literatura moderna em língua eslovena

Wikimedia Commons

Título: A Justiça de Yerney
Autor: Ivan Cankar
Editora: Cavalo de Ferro
Páginas: 96
Preço: 12,69€

A novela foi editada pela primeira vez pela Cavalo de Ferro em 2004. A segunda edição saiu em junho de 2019

Ivan Cankar não é um escritor qualquer. Nascido em 1876, na localidade eslovena de Vrhnika, então parte do Império Austro-Húngaro, bebeu influência das correntes realista e naturalista, mas também do decadentismo e simbolismo (o seu primeiro livro, a coletânea de poesia Erotika, tinha ligações ao decadentismo, o que fez com que fosse destruída por ordem do bispo de Ljubljana, Anton Bonaventura Jeglič), compondo uma obra de grande originalidade e variedade de géneros. Considerado um dos escritores mais importantes de língua eslovena e um dos responsáveis pelo arranque do modernismo na sua literatura, é um autor tão fundamental que é apontado como responsável pelo desenvolvimento do romance psicológico, do drama simbólico e da sátira moderna no seu país de origem. Fora da Eslovénia, há quem o descreva como um dos escritores europeus mais importantes do fin de siècle.

Embora os seus trabalhos mais originais se enquadrem dentro do movimento modernista, a obra de Cankar encontra-se profundamente marcada por uma série de questões sociais, morais e políticas importantes para a Europa do início do século XX, mais típicas do realismo. Ativista político, foi membro do Partido Social-Democrata Jugoslavo, austromarxista, que funcionava nas chamadas terras eslovenas e na Ístria. Foi enquanto candidato deste grupo partidário que participou nas primeiras eleições do Parlamento austríaco, em 1907, como representante do distrito eleitoral de Zagorje-Litija, em Carnovia, acabando por perder contra o Partido Popular. Mais tarde, acabou por se distanciar do partido por não concordar com a defesa que este fazia da criação de uma nação jugoslava com uma mesma língua e cultura. Pelo contrário — o autor defendia a diversidade linguística de todos os eslovenos. Ivan Cankar morreu em 1918, de pneumonia, uma complicação da gripe espanhola, que então assolava o território.

Entre as obras mais famosas do escritor conta-se a novela A Justiça de Yerney (1907), publicada pela primeira vez pela Cavalo de Ferro em 2004 e reeditada no mês passado em Portugal pela mesma editora. Livro pequeno, com menos de 100 páginas, conta a triste história de Yerney, homem simples do campo que dedicou a sua vida à quinta do “velho Sitar”, o patrão atencioso que o deixou construir uma casa nos limites da sua propriedade. É nessa habitação que o feitor se encontra no início da novela, sentado num banco junto à janela, lamentando a morte de Sitar — “todos temos de partir; eu serei o próximo”, afirma.

Debilitado por quatro décadas de trabalho no campo e uma idade já avançada, Yerney espera poder passar calmamente os anos que lhe restam na terra que ama e rodeado pelos seus familiares. As expectativas que guarda são subitamente destruídas pelo filho de Sitar, o orgulhoso Tony, que vê no feitor uma ameaça à sua autoridade. No dia do funeral do pai, Tony decide expulsar o camponês da propriedade, dizendo-lhe que já não há lugar para ele na sua quinta. “Procura outro patrão”, diz-lhe, apoiado pelos familiares de Yerney, que se viram contra ele por temerem serem sujeitos à mesma sorte. “O que fizeste, Patrão, com as tuas palavras ásperas, o que fizeste ao velhote?”, interroga o feitor, que, depois de 40 anos de dedicação, se vê de repente sem casa, sem nada. “Porque te empenhaste em o humilhar, em o atormentar na sua velhice, ele que nunca conhecera a mágoa, nem na Primavera da sua vida, nem anteriormente ou na idade adulta?”

A expulsão de Yerney da quinta do “velho Sitar” serve de ponto de partida a uma longa e dura viagem em busca de justiça e daquilo que acredita ser seu por direito. Durante este percurso, o feitor começa por visitar o presidente da Câmara Municipal, a quem diz:

“O Yerney trabalhou durante quarenta longos anos. Deus abençoou o seu trabalho, que produziu frutos maravilhosos. De quem é a labuta, de quem são os frutos? Agora diz-me: que lei humana é essa, que divinos mandamentos são esses, que eu nem sei onde descansar a cabeça, apesar de ter ceifado feno suficiente para fazer uma pilha tão alta como a montanha além? E não tenho nem uma côdea de pão, eu que enchi celeiros enormes com trigo, trigo mourisco e centeio?”.

A resposta que recebe é aquela que vai receber sempre ao longo da sua difícil jornada, que o leva até Viena, capital do império, em busca de um Imperador que se esconde do seu povo e não atende a quem mais precisa — não tem direito a nada, nem àquilo que construiu, porque tudo pertence ao patrão, e o patrão é agora Tony, que herdou tudo depois da morte do pai. Não há nada que o presidente da Câmara, os magistrados, os padres ou os sábios possam fazer por Yerney (em frente dos quais repete sempre a mesma ladainha, aproximando-se o texto nestas passagens da literatura oral) porque Yerney não tem nada de seu. Mas o feitor não desiste, e continua o seu caminho sem nunca perder a fé em Deus, criador de todas as leis justas, apesar das dificuldades que é obrigado a enfrentar — a humilhação, o escárnio, os maus-tratos e a prisão. “Procurá-la-ei [a Justiça] ainda que esteja enterrada na terra tão funda quanto o meu suor; usarei uma pá, escavarei e removerei a terra até onde as minhas forças me deixarem…”, anuncia num tribunal.

Só no fim — depois de ter sido ouvido vários especialistas, de ter sido levado perante vários juízes e até de ter sido apedrejado por crianças — é que Yerney é capaz de concluir, com grande tristeza, que a Justiça não pode ser encontrada à face da Terra. “Vagueei pelo mundo, andei de polícias para juízes, de juízes para o Imperador. Não há justiça abaixo do Poder Supremo (…). Foi enterrada a uma profundidade de cem metros e foi colocada uma pedra pesada sobre ela. Não procurarei durante mais tempo a justiça neste mundo”, declara, por fim, ao padre da sua aldeia, pedindo-lhe que o julgue segundo a justiça divina. Este, porém, e tal como todos os outros, nega-lha. Esta derradeira recusa leva Yerney finalmente ao limite das suas forças, renunciado a tudo em que até aqui acreditava e pondo em causa a própria existência de Deus. Sem fé ou esperança no seu coração, o feitor já não tem nada a perder. Resta-lhe a vingança.

“Dizei a palavra pela qual tenho esperado tanto tempo: existe justiça? Existe Deus?”, pergunta Yerney ao padre.

É muito fácil criar empatia com Yerney e com a sua triste história. A sua ingenuidade comove e a injustiça de que é alvo revolta. Ao ler as páginas de A Justiça de Yerney, é difícil não ter vontade de fazer alguma coisa para mudar o destino do velho camponês, trabalhador e temente a Deus, símbolo de uma classe sem direitos, numa altura em que a servidão continuava a existir. Porque o destino de Yerney era o destino de todos os trabalhadores que, chegados ao final da vida sem qualquer préstimo, eram empurrados porta fora sem direito a levarem sequer o seu cachimbo. Cankar expôs essa crua realidade com grande mestria e através da criação de uma personagem inesquecível.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)