Rádio Observador

Angola

Trabalhadores da rádio pública angolana suspendem greve após entendimento com a direção

Paralisação estava marcada para segunda-feira, mas foi suspensa depois de os trabalhadores terem chegado a um "entendimento com administração". Pediam aumentos salariais e melhores condições.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Os funcionários da Rádio Nacional de Angola (RNA) decidiram suspender a greve, anunciada para segunda-feira, até ao pagamento do salário do mês de agosto, após um “entendimento com administração”, disse hoje fonte sindical.

Segundo o secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA), Teixeira Cândida, a decisão da desconvocação da greve de dez dias, inicialmente marcada entre 29 de julho a 09 de agosto, foi deliberada na sexta-feira durante uma assembleia de trabalhadores.

A assembleia deliberou a suspensão da greve até ao pagamento do salário de agosto nos termos do que foi acordado com o SJA, em que os critérios que devem determinar o enquadramento das pessoas no âmbito da tabela salarial que a empresa apresenta devem ser o da antiguidade, do mérito e respeito dos direitos adquiridos”, disse.

O anúncio de greve interpolada de dez dias na rádio pública angolana foi feito na segunda-feira, 22 de julho, em protesto por “maior valorização, respeito e melhores condições laborais e salariais”.

Na ocasião, os trabalhadores, entre jornalistas, editores, técnicos e motoristas manifestaram-se “descontentes” com o conselho de administração da RNA, referindo que a mesma “não garantia qualquer confiança”, por não responder os dez pontos do caderno reivindicativo.

Em fevereiro, os trabalhadores da rádio pública angolana, por intermédio do SJA, procederam a entrega de um caderno reivindicativo com dez pontos, nomeadamente seguro de saúde, melhores condições laborais e proposta salarial com teto inicial de 180.000 kwanzas (460 euros).

No entanto, na quarta-feira, na sequência do anúncio de greve, a administração da Rádio Nacional de Angola manifestou “total disponibilidade” em dialogar com os funcionários para “encontrar uma solução em sede de negociação com maior brevidade possível”.

Em comunicado assinado pelo presidente do conselho de administração da RNA, Marcos Lopes, a que a Lusa teve hoje acesso, a instituição dizia-se disponível em dialogar para situações “que forem atendíveis e exequíveis nos marcos da lei”.

Hoje, Teixeira Cândido considerou “ilegal” o afastamento de alguns profissionais da rádio estatal angolana por alegada incompatibilidade, referindo que as incompatibilidades “são aquelas que estão estabelecidas na lei em relação aos jornalistas”.

A decisão da suspensão da greve foi aplaudida pelo ministério da Comunicação Social angolano, que em comunicado assinado pelo titular o setor, João Melo, congratula-se pela decisão dos jornalistas e trabalhadores.

Como o ministério da Comunicação Social sempre pugnou, prevaleceu o espírito de diálogo, o bom senso e o realismo entre todos, pelo que este departamento ministerial felicita e agradece as partes, e em particular a todos os trabalhadores, pelo entendimento alcançado”, lê-se.

A Rádio Nacional de Angola é uma empresa de radiodifusão pública da República de Angola, que congrega estúdios centrais em Luanda e ainda emissoras provinciais e locais espalhadas pelo país, fundada em 5 de outubro de 1977.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)