Rádio Observador

Saúde

Uso exagerado de “headphones” pode provocar surdez prematura

356

Hábitos pouco saudáveis relacionados com o uso de auriculares estão a fazer com que certos problemas auditivos surjam mais cedo. OMS estima que existem mil milhões de jovens em risco em todo o mundo.

A OMS estima que quase 50% dos jovens de países desenvolvidos entre os 12 e os 35 anos estão “expostos a níveis inseguros de som”

KOEN VAN WEEL/EPA

Em Espanha, é cada vez maior o número de jovens adultos que aparece em consultas de otorrinolaringologia com problemas auditivos típicos de pessoas mais velhas. A causa do problema parece ser o uso exagerado e prolongado de auriculares e o hábito de ouvir música demasiado alta. Esta é a opinião de vários especialistas ouvidos pelo El Mundo, que fizeram eco das preocupações da Organização Mundial de Saúde (OMS) que, há uns anos, divulgou um estudo em que alertou para os perigos de certas práticas. De acordo com a OMS, existem mais de mil milhões de adolescentes e jovens adultos em todo o mundo que estão em risco de sofrer uma perda de audição por manterem práticas que são nocivas.

María José Lavilla, presidente da Comissão de Audiologia da Sociedade Espanhola de Otorrinolaringologia, tem a mesma opinião. A médica acredita que ouvir música com headphones com o volume demasiado alto está a fazer com que os problemas auditivos surjam cada vez mais cedo na população. “Temos visto que, aos 40 anos, estão a manifestar-se transtornos típicos de pessoas com 60 anos”, disse ao El Mundo, alertando para o facto de que, no futuro, estas pessoas se podem a vir tornar em “surdos precoces”.

Josefa Donderis Sala, otorrinolaringologista do Hospital Denia-Marina Salud, em Allicante, assegura que, nos últimos anos, “aumentou exponencialmente o número de adolescentes que chegam [às consultas] com este problema trazidos pelos pais”. A médica espanhola deu o exemplo de um adolescente de 17 anos que sofria de uma perda moderada de audição associada à utilização inadequada dos leitores de música. “A família começou a notar que ele perguntava constantemente ‘o quê?’ sempre que alguém falava com ele e, além disso, precisava de aumentar o volume da televisão”, relatou.

De acordo com Sala, “o uso dos auriculares no telemóvel e tablet”, somado a “duas horas de exposição a ruído com um volume acima do aceitável”, fizeram com que o jovem sofresse uma hipoacusia, uma perda de audição que, neste caso, dizia respeito nas frequências elevadas. “A peculiaridade” da hipoacusia de que o adolescente sofria “devido à exposição contínua ao ruído é que dificultavam a inteligibilidade do que era dito”, explicou. O jovem não precisou de colocar um aparelho auditivo — a otorrinolaringologista recomendou apenas que reduzisse o tempo de exposição a leitores de música, incluindo o telemóvel —, mas nem todos têm a mesma sorte.

A OMS estima que quase 50% dos jovens de países desenvolvidos entre os 12 e os 35 anos estão “expostos a níveis inseguros de som”. Segundo os dados recolhidos pelo El Mundo, existem 43 milhões de pessoas entre os 12 e os 35 anos que tiveram problemas auditivos por causa deste tipo de prática.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)