Rádio Observador

Volta a França

Egan Bernal, o futuro jornalista que chegou à Europa de bicicleta de montanha e ganhou o Tour por destino

269

A natureza encurtou-lhe o caminho num destino que parecia traçado quando fraturou a clavícula, falhou o Giro e apareceu em França. Perfil de Egan Bernal, o mais novo vencedor do Tour da era moderna.

Saudado pelo companheiro Geraint Thomas, em corrida, em festa e perante os fãs colombianos: quatro imagens de Bernal no Tour

AFP/Getty Images

Estava escrito no destino. E foi um destino que não se resumiu às vontades da natureza. Ninguém conseguirá dizer ao certo o que se passaria se a antepenúltima etapa do Tour que terminava em Tignes não tivesse sido neutralizada a cerca de 30 quilómetros. No limite, ninguém conseguirá dizer ao certo o que se passaria na penúltima tirada a acabar em Val Thorens se não tivesse sido reduzida a menos de metade, também por condições climatéricas. Uma coisa é certa: Egan Bernal estava preparado para fazer a diferença nas últimas subidas da Volta à França. Mas não foi só por aí que o destino estava escrito para o colombiano.

Depois de algumas quedas que prejudicaram o ano de 2018 (marcado pelo facto de ser o mais novo no Tour, com apenas 21 anos), Bernal começou da melhor forma a presente temporada com vitórias na Paris-Nice e na Volta à Suíça. Tudo apontava para que fosse uma das principais apostas da Ineos no Giro mas uma queda e consequente fratura da clavícula retirou-lhe a hipótese de fazer a corrida transalpina, passando dessa forma a ser opção para o Tour. “As coisas acontecem por alguma razão, é incrível. Se tivesse ido ao Giro, se não tivesse caído, não estava agora aqui com a amarela”, confidenciou este fim de semana. Em Bruxelas, o sul-americano recomeçou. Três semanas antes da Volta a França. E para fazer história.

Bernal, de 22 anos, sagrou-se este domingo o campeão mais novo de sempre da era moderna, superando por três meses o vencedor na edição de 1965, Felice Gimondi. Com menor idade, só mesmo de 1935 para baixo: Henri Cornet, Romain Maes e François Faber. Mas em vez de ser a notícia, o colombiano poderia estar como membro do grupo dos que escrevem as notícias.

“É verdade que estudei jornalismo mas graças a Pablo Mazuera [o mecenas que financia o clube onde fez a formação] sou ciclista. Quando fui para a universidade tinha decidido deixar a bicicleta de lado e dedicar-me ao jornalismo mas convenceu-me que fazer mais um ano. Se agora tivesse de escrever sobre esse momento, não sei como conseguiria fazê-lo”, explicou ao ABC. Tudo na Universidade de la Sabana, em Bogotá, onde conheceu a namorada, Xiomara, com quem vive em Andorra quando está na Europa além do pai, German. Foi a eles que Bernal dedicou o triunfo que marcou a mudança de amarela, emocionando-se mesmo ao olhar para ambos quando subiu ao pódio. “Se pensasse nisto há três anos, não acreditava”, confidenciou.

“Filho” de Zipaquirá, município a cerca de 25 quilómetros de Bogotá que tem parado para acompanhar as últimas etapas do Tour a começar logo às sete da manhã e com a imagem dele e de Quintana bem presentes, como contava uma reportagem do El Mundo este domingo, o colombiano ganhou nome pelo médico que acompanhou a mãe, Flor, no parto. E porque Egan lhe recordava um deus grego vitorioso, como recordava este domingo o El País. Começou a especializar-se em ciclismo de montanha nas suas moutains bikes e tornou-se um dos melhores na especialidade antes de chegar à Europa via Itália, na equipa do Androni Giocattoli–Sidermec. Só aí começou realmente a adaptar-se às corridas de estrada, numa fase da vida que lhe deixou saudades agora que se mudou para Andorra, dos amigos aos gelados – sobretudo nutella. Em 2018, quando foi campeão nacional de contrarrelógio, iniciou a sua ligação à equipa da Sky, hoje Ineos, de pesos pesados como Chris Froome ou Geraint Thomas.

Quando chegou a Itália ainda sem equipa nem experiência, tinha na vontade de aprender o ciclismo de estrada o principal desejo e nos exames físicos/médicos um cartão de apresentação. Resultado? “Genes de campeão”. A isso juntava ainda outros predicados que não demoraram a levá-lo a outros voos, como a maturidade acima da média e as qualidades em contrarrelógio. Nada a ver com os predicados que o pai German, que também foi um ciclista amador, quando tinha aquela idade.

Agora, chegou aos Campos Elísios em Paris como vencedor depois de ter tornado apenas o terceiro colombiano a ter a amarela no Tour depois de Vítor Hugo Peña e Fernando Gaviria. Nairo Quintana ganhou o Giro em 2014 e a Vuelta em 2016. Rigoberto Urán já conquistou uma prata nos Jogos Olímpicos. Miguel Ángel López venceu a Juventude no Giro e na Vuelta. E ainda houve Fábio Parra, Herrera ou Santiago Botero. A partir de hoje, entrou na história – e ganhou 500 mil euros. E não ficará por aqui.

Caleb Ewan venceu ao sprint a última etapa, que terminou nos Campos Elísios. O australiano da Lotto Soudal conseguiu terminar na frente do holandês Dylan Groenewegen (Jumbo) e do italiano Niccolò Bonifazio (Total Direct Energie). No resultado geral, tudo ficou na mesma com Egan Bernal a ter 1.11 minutos de vantagem sobre o companheiro de equipa Geraint Thomas e 1.31 minutos para o holandês Steven Kruijswijk (Jumbo). Julian Alaphilippe (Deceunink), que durante muitos dias andou com a camisola amarela, foi o melhor francês na edição de 2019 terminando na quinta posição a mais de quatro minutos da liderança.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)