Rádio Observador

Austrália

Parlamento da Austrália aprova tratado de fronteiras marítimas com Timor-Leste

Aprovação do tratado põe fim a uma década de disputa entre os dois países e estabelece as fronteiras marítimas permanentes. Austrália e Timor-Leste vão agora desenvolver campos de gás em conjunto.

NUNO VEIGA/LUSA

O parlamento australiano aprovou esta segunda-feira o tratado sobre as fronteiras marítimas com Timor-Leste, ratificado há uma semana pelo parlamento timorense, após uma década de disputa entre os dois países.

A ministra dos Negócios Estrangeiros da Austrália, Marise Payne, considerou que o tratado “resolve uma disputa longa sobre as fronteiras marítimas no contexto do desenvolvimento do Greater Sunrise” e lança as “fundações para um novo capítulo nas relações bilaterais”.

O líder da oposição, Anthony Albanese, disse durante o debate na Câmara dos Representantes, na sexta-feira, que a prolongada disputa “não ajudou à imagem australiana de boa vizinhança com uma das nações mais jovens do planeta”.

“Com a aprovação do tratado, a Austrália está agora pronta para, conjuntamente com Timor-Leste, desenvolver os campos de gás Greater Sunrise em benefício dos dois países”, adiantou o Governo australiano num comunicado conjunto dos gabinetes do primeiro-ministro e ministros das Finanças, Negócios Estrangeiros e Recursos. “Greater Sunrise gerará novas oportunidades de rendimento, desenvolvimento comercial e industrial para Timor-Leste e uma importante parte da futura economia timorense”, reforça o comunicado.

O Governo australiano sublinha que o tratado estabelece as fronteiras marítimas permanentes entre os dois países e uma “moldura legal estável para o desenvolvimento dos recursos de gás e petróleo no mar de Timor”. “Mantém o compromisso da Austrália com as regras internacionais e a resolução pacífica de disputas e reflete o compromisso total com a independência, soberania e sustentabilidade económica de Timor-Leste”, acrescenta-se no texto.

O tratado resultou de um processo de conciliação obrigatória iniciado por Timor-Leste em 11 de abril de 2016, no âmbito da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), e concluído com a assinatura do documento em 06 de março de 2018 em Nova Iorque.

O processo permitiu “alcançar uma solução global negociada para a disputa sobre a delimitação permanente das respetivas fronteiras marítimas”, que inclui “a concordância sobre a ligação inextrincável entre a delimitação das fronteiras marítimas e a criação do regime especial para os Campos do Greater Sunrise”.

O Parlamento Nacional timorense tinha ratificado em 23 de julho o tratado que define as fronteiras marítimas permanentes entre Timor-Leste e a Austrália, depois de aprovar várias alterações legislativas, mas com os votos contra da Fretilin, na oposição. Os textos vão agora para o Presidente da República, que tem até 30 dias para decidir vetar ou promulgar.

Em caso de veto, os diplomas regressam ao Parlamento Nacional onde basta serem confirmados por maioria simples — que a coligação do Governo detém — para que o Presidente da República os tenha de promulgar. O parlamento alargou a sessão legislativa até 15 de agosto para lidar com esta questão.

O Governo pretende que a troca de notas com a Austrália, que marca a entrada em vigor formal do tratado, ocorra em 30 de agosto, quando se cumprem 20 anos do referendo em que os timorenses escolheram a independência.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)