Rádio Observador

CDS-PP

CDS quer alunos excluídos a poder pagar universidades a “preços do mercado”

551

Cristas quer que os alunos que não entrarem nas universidades públicas devido ao numerus clausus possam ingressar em vagas adicionais, pagando propinas ao preço do mercado.

Assunção Cristas anunciou a proposta numa conferência de imprensa na sede nacional do partido, em Lisboa

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O CDS-PP vai propor, no seu programa eleitoral às legislativas, que os alunos excluídos pelos chamados “numerus clausus” possam pagar uma universidade pública “a preços de mercado”, de acordo com as regras do concurso nacional de acesso.

A proposta foi anunciada pela presidente dos centristas, Assunção Cristas, numa conferência de imprensa na sede nacional do partido, em Lisboa, em que afirmou que esta não representa “nenhuma pressão sobre o Orçamento do Estado”.

É possível e desejável que haja mais oportunidades e mais oferta para quem não fica colocado dentro do numerus clausus existentes”, justificou Assunção Cristas, garantindo que a ideia não põe em causa a autonomia das universidades e institutos politécnicos.

Na prática, e dado que nem universidades nem institutos politécnicos esgotam a sua capacidade nos concursos para estudantes nacionais, argumentou, trata-se de dar aos alunos portugueses a mesma oportunidade que é dada a estrangeiros a estudar em universidades públicas e que pagam o “preço de mercado”.

Segundo explicou, o CDS defende que, para os alunos que não têm possibilidade “de aceder” ao ensino superior devido ao numerus clausus, “possa ser criada a possibilidade de, dentro da autonomia das instituições do ensino superior, elas próprias criarem vagas adicionais”. Assim, os alunos poderiam “aceder a essas vagas”, a exemplo do que acontece com estudantes estrangeiros, “pagando um preço de mercado”.

No documento, elaborado pelo grupo de trabalho liderado por Adolfo Mesquita Nunes, encarregado do programa eleitoral do CDS às legislativas de 6 de outubro, lê-se que o “Estado só manda abrir as vagas que está em condições de financiar” pelo que estes alunos ajudariam a financiar, ao preço de mercado, as vagas que ocupariam.

Nesta conferência de imprensa, a presidente do CDS também apresentou mais uma medida do programa eleitoral, destinada aos mais idosos, e que passa por programas de cooperação com o setor social de modo a garantir que nenhum idoso fique isolado.

Inspirados no que, disse, já foi proposto em Lisboa, onde é vereadora, os centristas sugerem que seja colocado um telefone na casa do idoso que vive isolado para este contactar uma instituição ou uma pessoa quando necessitar de apoio para alguma tarefa.

A ideia passa pela articulação entre autarquias e o setor social, de modo a criar “uma verdadeira rede nacional de apoio” de modo a garantir que, “a nível nacional, não há nenhum idoso completamente isolado e sozinho”.

Assunção Cristas evitou comentar a polémica em torno do secretário de Estado da Proteção Civil e dos kits de emergência, afirmando que o “CDS está muito atento” ao assunto e, por isso, o deputado Telmo Correia já se pronunciou por duas vezes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O país onde a política morreu /premium

Rui Ramos

As más finanças, a estagnação económica e o envelhecimento demográfico tiraram oxigénio a tudo o que relacionávamos com direita e esquerda em Portugal. Há apenas governo e oposição.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)