Rádio Observador

Astronomia

Esta noite há chuva de estrelas. Saiba como encontrar as Aquáridas

1.548

As Aquáridas vão levar 15 meteoros por hora ao céu noturno já esta madrugada. O espetáculo chega ao ponto máximo após a meia-noite. E abre caminho para as Perseidas, a maior chuva de estrelas.

As Perseidas, a maior chuva de estrelas, aparecem duas semanas depois das Aquáridas de esta noite

Getty Images

O céu noturno vai ser rasgado por uma média de 15 meteoros por hora a partir da meia-noite à conta de uma chuva de estrelas, explicou o Observatório Astronómico de Lisboa. As Aquáridas, assim se chama o fenómeno, já podem ser vistas desde 12 de julho e até 23 de agosto, mas é esta madrugada, depois das doze badaladas, que vai chegar à atividade máxima de intensidade. E o melhor é que, como estamos prestes a entrar em Lua Nova, a luz refletida pelo nosso satélite natural não vai atrapalhar as observações.

As Aquáridas chamam-se assim porque todos os meteoros parecem surgir da constelação de Aquário, nomeadamente da estrela Delta Aquarii, que é a terceira mais brilhante dessa constelação. Ora, a constelação de Aquário só começa a nascer depois da meia-noite, conta o Observatório Astronómico de Lisboa, daí que deva estar mais atento ao céu a partir dessa hora e ao longo da madrugada.

Esses meteoros, vindos do cometa 96P/Machholz, vão aparecer sobretudo no hemisfério sul do planeta, mas também podem aparecer até às latitudes mais medianas do hemisfério norte. E Portugal está na rota deles. Mas não são os únicos visitantes desta noite, alerta o Observatório. Este mês há mais três chuvas de estrelas — Ariétidas, ζ Perseidas e β Táuridas –, mas são diurnas, isto é, rasgam o céu durante o dia, quando é impossível vê-las a olho nu.

É assim porque “tanto a constelação de Carneiro, como as de Perseu e do Touro encontram-se próximas do Sol, e isso faz com que estas chuvas de meteoros sejam difíceis de se ver a olho nu”. No entanto, se tenciona ficar acordado durante a noite para espreitar as Aquáridas, talvez tenha sorte e ainda se possa cruzar com as primeiras estrelas cadentes desses três fenómenos: é que “alguns dos primeiros meteoros são visíveis no momento das primeiras horas da manhã, geralmente uma hora antes do amanhecer”, indica o Observatório.

Mas atenção: as ζ Perseidas não são a mesma coisa que as tão famosas “Perseidas”, a maior chuva de estrelas visível no verão do hemisfério norte nesta altura do ano. Essas já andam a abrilhantar o céu desde 17 de julho e por cá ficarão até 24 de agosto, mas só quase no fim desse período, a 13 de agosto, é que chegarão ao pico de atividade. Nessa noite, as Perseidas — deixadas para trás pelo cometa Swift-Tuttle — vai trazer 110 meteoros por hora ao céu noturno.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Alterações Climáticas

A lei do EROI /premium

Marco Robalo

Ouvimos muito falar na esperança em tecnologias, mas este debate foge da realidade e concentra-se em ideias de ficção científica, pois ninguém sabe como resolver as necessidades de consumo instaladas.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos
271

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)