Rádio Observador

Segurança Rodoviária

Operação “Passageiros em Segurança” fiscalizou 2.154 veículos e detetou 449 infrações

Operação de fiscalização foi direcionada para veículos pesados de passageiros e veículos de transporte de crianças. Em 2.154 veículos foram detetadas 449 infrações.

Quase um quarto das viaturas inspecionadas apresentaram irregularidades

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A GNR fiscalizou, entre os dias 22 e 28, um total de 2.154 veículos de transporte de passageiros, tendo elaborado 449 contraordenações, incluindo 16 por condução de veículos pesados de passageiros sem carta de qualificação de motorista.

Segundo adianta a GNR, a operação de fiscalização foi direcionada para veículos pesados de passageiros e veículos afetos ao transporte coletivo de crianças, para garantir o cumprimento dos normativos legais aplicáveis, de promover a segurança rodoviária dos seus utilizadores e de reduzir os índices de sinistralidade rodoviária.

Dos autos de contraordenação elaborados pela GNR constam ainda 117 por os veículos não possuírem características técnicas para efetuarem este tipo de transporte, assim como, por falta de equipamentos obrigatórios, nomeadamente, falta de extintor e caixa de primeiros socorros.

Outras 91 infrações resultam do incumprimento dos tempos de condução, pausas obrigatórias e desrespeito dos tempos de repouso, enquanto 32 se ficaram a dever à falta de licenciamento ou por os veículos não cumprirem os requisitos para efetuarem este tipo de transporte.

Da lista de contradordenações figuram 20 por transporte de passageiro sem uso do cinto de segurança ou sistema de retenção para crianças homologado e adaptado, 14 por falta ou preenchimento incorreto da documentação necessária ao tipo de serviço, 13 por incumprimento das regras relativas à instalação e uso do tacógrafo e quatro por falta de alvará para o exercício da atividade.

A GNR detetou também quatro infrações por falta de uso de colete retrorrefletor e raqueta de sinalização no atravessamento da via (crianças), duas por condução de veículos afetos ao transporte de crianças sem certificado de motorista, uma por ausência de vigilantes e uma por excesso de lotação.

De acordo com a GNR, nos transportes em veículos pesados assumiu especial sensibilidade o transporte público de passageiros, na medida em que o incumprimento dos normativos legais, principalmente ao nível das regras de segurança, violação de tempos de condução e repouso ou a adoção comportamentos de risco pode “colocar em causa a segurança e integridade física de um elevado número de passageiros”.

Por sua vez — alerta a GNR — a época balnear é também propícia à circulação de veículos afetos ao transporte coletivo de crianças e jovens até aos 16 anos, de e para os estabelecimentos de educação e ensino, creches, jardins-de-infância e outras instalações ou espaços em que decorram atividades educativas ou formativas, designadamente para prática de atividades desportivas ou culturais, visitas de estudo e outras deslocações organizadas para ocupação de tempos livres.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

Pelo direito à diferença

José Miguel Pinto dos Santos

Excetuando as geradas por injustiças sociais, todas as outras diferenças devem ser bem-vindas pois trazem variedade à vida, porque permitem o livre desenvolvimento individual e porque não são injustas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)