Rádio Observador

Polónia

“Fuga de cérebros” na Polónia leva primeiro-ministro a dar subsídio de até 18% dos impostos aos jovens

Já são 1,7 milhões de jovens que saíram da Polónia para estudarem ou trabalharem no estrangeiro. Primeiro-ministro anunciou subsídio de 18% dos impostos para os jovens abaixo de 26 anos.

Para receber parte dos 18% a partir do dia 1 de agosto, é necessário ter menos de 26 anos e ganhar menos de 85,528 mil zlotys polacos, o equivalente a 19,9 mil euros, por ano

LightRocket via Getty Images

A Polónia não quer mesmo que os seus jovens saiam do país. O governo polaco anunciou uma lei, que entra em vigor nesta semana e pretende atingir aproximadamente dois milhões de jovens, para criar uma situação menos favorável para a emigração, avançou a CNN.

A medida consiste em direcionar 18% dos impostos recebidos para os jovens, numa tentativa de parar o cenário da “fuga de cérebros” que o país enfrenta desde que entrou na União Europeia, 15 anos atrás, quando a Polónia integrou a União Europeia. São, aproximadamente, dois milhões de jovens que se qualificam para receber o subsídio.

Para receber parte desses subisídios a partir do dia 1 de agosto, é necessário ter menos de 26 anos e ganhar menos de 85,528 mil zlotys polacos, o equivalente a 19,9 mil euros, por ano. Considerando que o salário médio anual de um habitante fica por volta dos 60 mil zlotys (13,9 mil euros), a medida é generosa.

O primeiro-ministro polaco Mateusz Morawiecki alertou, ao defender a lei no parlamento, que pelo menos 1,7 milhões de jovens polacos saíram do país, “é como se a toda a cidade de Varsóvia tivesse ido embora. É uma perda gigante”. O ministro adicionou ainda que “isto tem de acabar, os jovens têm de ficar na Polónia”, reportou a estação americana.

No ano da entrada do país na UE, os dados mostravam um número de aproximadamente 700 mil pessoas a saírem para estudarem, enquanto em 2018, 14 anos depois, o número ronda os 1,7 milhões de pessoas. O pico, entretanto, foi observado em 2017, com 1,9 milhões de jovens a saírem para estudarem em universidades estrangeiras, segundo dados da Eurostat, quando meio milhão de jovens formaram-se em universidades polacas.

Os impactos, consequentemente, podem ser sentidos na economia. “Nos últimos três ou quatro anos, começámos a ver uma diminuição de trabalhadores e apercebemo-nos que precisamos destas pessoas de volta”, revelou à estação americana Barbara Jancewicz, chefe da Unidade de Pesquisa Económica da Migração, em Varsóvia.

A CNN também ouviu Kinga Kitowska, uma jovem polaca de 22 anos, que atualmente vive em Londres. A analista não concorda completamente com o subsídio: “Não é por aí que conseguirão manter os jovens no país”. Reitera que é preciso “construir oportunidades e abrir sectores atrativos aos jovens atuais”.

Especialistas em imigração também não se deixam convencer com a estratégia. “Não se trata apenas de dinheiro”, disse Heather Rolfe, líder dos Recursos Humanos do Instituto Nacional de Pesquisa Económica e Social, em Londres.

A Polónia é o segundo país da UE com os maiores índices de diplomados a morarem fora do território. São no total 724 mil polacos, seguidos pelos alemães, que rondam os 650 mil e os romenos, com 600 mil, segundo a Eurostat.

O Reino Unido é o país mais atrativo para os migrantes polacos: quase um milhão de pessoas vivem nos territórios britânicos. “A taxa de 18% é, sim, muito, mas não chega nem próximo do fosso formado entre os salários polacos e britânicos”, disse Jancewicz, mesmo que a jovem esteja “à procura de oportunidades e não dinheiro, no curto prazo”.

Ao mesmo tempo, o Brexit ameaça os números e o ambiente dos imigrantes no Reino Unido. A polícia britânica já registou maiores índices de crimes de ódio contra imigrantes e o número de polacos a entrarem no país já é menor do que os números dos polacos a saírem, revelou a CNN.

O partido do primeiro-ministro polaco, o PiS, ainda anunciou outros subsídios, como bónus nas pensões e benefícios para famílias com filhos, que irão custar aos cofres públicos 40 mil milhões de zlotys (9,3 mil milhões de euros), tornando-se alvo de críticas ao chamarem-no de “populista”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)