A líder do maior partido da oposição em Cabo Verde (PAICV), Janira Hopffer Almada, acusou nesta quarta-feira o governo de “maquilhar” a situação real do país, defendendo que as soluções do primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, “nunca apareceram”.

A presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), que discursava na Assembleia Nacional, na abertura do debate sobre o estado da Nação, disse que todos os projetos que Ulisses Correia e Silva anunciou foram negociados pelo governo anterior do PAICV, que terminou funções em 2016.

No seu discurso, Janira Hopffer Almada acusou ainda a Televisão Pública (TCV) de ter emitido uma “campanha enganosa” sobre os três anos da atual governação.

Na sua análise à situação do país, a líder do maior partido da oposição cabo-verdiana disse que o governo falhou nas principais promessas, entendendo que, apesar de a economia estar a crescer a 5,5% (2018), isso não beneficia todos.

Janira Almada acusou ainda o governo de ter destruído 15 mil empregos e de ter aumentado a dívida, sem que haja grandes investimentos no país, sublinhando que “todos os projetos” anunciados foram negociados pelo Governo do PAICV.

A líder da oposição criticou ainda a política de transportes adotada pelo atual governo, entendendo que o contrato de transporte marítimo inter-ilhas é “pouco transparente e tem laivos de ilegalidade” e que a saída da transportadora aérea TACV (agora Cabo Verde Airlines) do mercado doméstico foi propositado “para entregar de mão beijada e em monopólio” à Binter.

Em entrevista à agência Lusa, na terça-feira, Janira Almada disse que o primeiro-ministro é hoje o 23.º presidente de câmara municipal do país, por falta de estratégias nacionais, e acusou o governo de apenas fazer marketing.

No debate desta quarta-feira, a líder do PAICV foi mais longe e disse que o “primeiro-ministro em exercício” é Olavo Correia, vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças.

“Eu, como cabo-verdiana, acho que o país precisa de um primeiro-ministro, e não precisa de um primeiro-ministro em exercício. Não podemos ter um vice-primeiro-ministro que é primeiro-ministro em exercício, e não ter um primeiro-ministro”, disse Janira Almada, que criticou Ulisses Correia e Silva, dizendo que “não deixa” nenhum presidente de Câmara inaugurar a sua obra.

“Porque todas as obras municipais, lá está o senhor [Ulisses Correia e Silva] no corte de fitas, agora já melhorou até, passou a lançar obras municipais também”, prosseguiu a deputada, para quem o país precisa de ter políticas para os transportes, para a educação, saúde, turismo, agricultura, pescas.

O debate sobre o estado da Nação marca o fim do ano parlamentar em Cabo Verde, cujos trabalhos serão retomados em outubro, com o debate sobre a situação da Justiça.