A Reserva Federal dos Estados Unidos anunciou esta quarta-feira um corte nas taxas de juro, algo que acontece pela primeira vez em dez anos. A notícia já era há muito esperada.

Em comunicado citado pela Reuters, o Fed explica que o corte de um quarto de ponto percentual (25 pontos base) nas taxas de juro se deve aos “desenvolvimentos globais da economia, assim como à baixa pressão da inflação” nos Estados Unidos. A entidade liderada por Jerome Powell diminuiu agora a taxa para um intervalo entre 2% e 2,25%.

Situações como o Brexit e a guerra comercial entre a Casa Branca e a China (e ainda com o México) levaram o líder do Fed a mudar o discurso e a preparar o mercado para uma redução dos juros. Assim, a medida já era esperada e o corte, explica, pode ajudar a recolocar a inflação na meta dos 2%. O objetivo é ainda expandir a atividade económica e fortalecer o mercado do trabalho.

Este é o primeiro corte nas taxas de juro desde a crise financeira de 2008. Na altura, a instituição reduziu a taxa para um intervalo situado entre os 0% e os 0,25%. Até 2015, os juros permaneceram em valores nulos. Desde então, o banco central realizou vários aumentos. Jerome Powell anunciou também que os ativos da dívida acumulados durante a crise — que rondam os 3.8 mil milhões de dólares (cerca de 3.4 mil milhões de euros) — ficam intactos. Além do corte desta quarta-feira, a maioria dos analistas antecipa uma segunda redução depois do verão.

Escreve o New York Times que esta medida já está a ter efeitos. As taxas das hipotecas baixaram ainda em antecipação ao corte e as taxas dos cartões de crédito também pode sofrer uma quebra.

O anúncio da medida foi feito após uma reunião de dois dias do comité de política monetária da instituição e Jerome Powell vai dar uma conferência de imprensa a explicar os contornos deste corte às 14h30 locais.

Para Donald Trump este corte pode não chegar — o presidente americano já tinha exigido uma descida mais acentuada. Trump acusa o Fed e Jerome Powell de não fazerem o suficiente para apoiar os esforços da Casa Branca em acentuar o crescimento económico.

“O Fed fez tudo mal. Um pequeno corte nas taxas de juro não é suficiente”, escreveu o líder da Casa Branca na segunda-feira. “Mas vamos voltar a vencer”, acrescentou.