Santa Maria da Feira acolhe a partir desta quarta-feira a 23.ª “Viagem Medieval”, este ano apostada em recriar com mais de 2.000 pessoas e 1.600 performances o reinado de D. Fernando, de cognome “Formoso”, “Belo” e “Inconstante”.

Com entrada paga durante a tarde e a noite, o evento que decorre até ao dia 11 de agosto ocupa 34 hectares no centro histórico da cidade e reparte-se por diversos palcos, seis praças de restauração e 22 áreas temáticas interativas ou expositivas – algumas das quais obrigando a um pagamento adicional.

O investimento global é de 1,5 milhões de euros e, segundo a organização, o evento já é autossustentável, contribuindo também para a autonomia financeira das dezenas de coletividades locais envolvidas na realização da Viagem – seja dinamizando tabernas, por exemplo, ou protagonizando espetáculos e outras atividades.

Paulo Sérgio Pais, diretor-geral da recriação organizada pela Câmara da Feira, empresa municipal Feira Viva e Federação das Coletividades de Cultura e Recreio da Feira, realçou que “mais de 80 % dos conteúdos criados em exclusivo para a Viagem Medieval são apresentados por associações do concelho”.

Entre as novidades da 23.ª edição inclui-se a criação de um novo pórtico de acesso ao recinto, na zona do Carvalhal, o que resulta de um investimento de 30.000 euros. Esse arranjo urbanístico envolve novos percursos pedonais, antecipando uma obra de 500.000 euros para futura ligação dessa área nas margens do rio Cáster ao novo polo urbano da escola EB2,3 Fernando Pessoa.

Também para agilizar a mobilidade durante o evento, a organização reforça este ano o serviço de transportes entre o centro de congressos Europarque e o recinto da Viagem, após uma primeira experiência em 2018. Desta vez, quem estacionar no Europarque poderá beneficiar de um ‘transfer’ até ao evento ao preço de um euro por pessoa, para viagem de ida e volta.

Quanto à oferta de espetáculos, a edição de 2019 integra mais de 170 e há quatro grandes produções em destaque diariamente. No terreiro da mata das Guimbras, junto ao rio, encena-se às 18h00 “O chamamento”, sobre o apelo à guerra contra Castela, às 21h30 “A flor do reino”, sobre o relacionamento de D. Fernando com D. Leonor Teles de Menezes, e às 23h30 as “Lides Fernandinas”, sobre os esforços diplomáticos do rei para evitar a guerra.

Além dessas produções, que envolvem efeitos pirotécnicos e chegam a envolver 100 atores e figurantes em simultâneo, no Castelo da Feira também haverá todos os dias, às 00h15, o enredo mais fantasista de “O dragão adormecido”.

De acordo com a organização, na edição de 2018, a Viagem Medieval em Terra de Santa Maria recebeu cerca de 700.000 visitantes.