Depois de várias iniciativas dos moradores e da Associação de Moradores da Praça das Águas Livres junto da Câmara Municipal de Lisboa e, inclusivamente, queixas à Polícia Municipal para reportar o ruído que, afirmam, passou a ser uma constante na vida dos moradores nas proximidades do Ginásio Clube Português (GCP), foi agora lançada uma petição pública para tentar evitar a construção de um novo edifício do GCP.

Além de quererem “salvar o direito ao descanso dos moradores das Águas Livres” têm também preocupações com o património que ali existe. O Aqueduto das Águas Livres e o Bloco das Águas Livres são dois dos monumentos citados no texto da petição que acrescenta informação relativa ao “ruído provocado pela prática de padel no GCP”.

Os moradores queixam-se que o ruído das bolas e dos praticantes da modalidade incomoda a vizinhança “entre as 10h e as 23h”, da destruição feita aos espaços verdes e pretendem que haja uma regulamentação da prática de padel junto de habitações e, ainda, a definição de regras para o estacionamento das zonas residenciais após as 19h e aos fins de semana.

Segundo a associação de moradores a volumetria do novo edifício é “brutal” e não tem “mínima integração com os monumentos circundantes”. Os moradores calculam ainda que o novo edifício representará também um aumento na ordem dos 3.000 utentes para o GCP o que dificultará o estacionamento nas imediações dos prédios que já consideram ser atualmente “caótico”.