Rádio Observador

Saúde

Observatório de Canábis Medicinal está a reunir verbas para dar formação a médicos

O Observatório Português de Canábis Medicinal está a reunir verbas para dar formação aos médicos sobre a prescrição de medicamentos, preparações e substâncias à base desta planta.

Segundo a responsável, todos os dias chegam ao observatório queixas de doentes a relatar, entre outras situações, que há profissionais de saúde que continuam a dizer que “a canábis é uma droga”

BEA KALLOS/EPA

O Observatório Português de Canábis Medicinal (OPCM) está a reunir verbas para dar formação aos médicos sobre a prescrição de medicamentos, preparações e substâncias à base desta planta, apesar de esta estar prevista na lei.

“Existe uma lei, existe uma regulamentação, existe uma lista de patologias do Infarmed e os médicos continuam a recusar-se a ajudar os pacientes porque dizem que não há produto na farmácia”, disse a presidente do observatório, Carla Dias, que falava à agência Lusa a propósito dos seis meses da entrada em vigor da lei que regulamenta a canábis medicinal.

Para Carla Dias, é fundamental os médicos terem formação para ajudar os doentes que melhoram com o óleo de canabidiol (CHB), um dos componentes da canábis.

“Há pessoas em cuidados paliativos e crianças que estão a melhorar com CHB sem ajuda médica. [Por isso], eu acho que é muito importante os médicos terem formação e não andarem a dizer às pessoas, coisas como nós ouvimos no observatório todos os dias”, contou.

Segundo a responsável, todos os dias chegam ao observatório queixas de doentes a relatar, entre outras situações, que há profissionais de saúde que continuam a dizer que “a canábis é uma droga”.

Carla Dias contou que “na semana passada foi dito num hospital português a uma mãe que os pais na altura em que eram novos não fumaram as ‘ganzas’ e agora querem dar aos filhos. Isto não se diz a um paciente porque está comprovado que tem indicações terapêuticas”.

“Ninguém dá droga aos filhos, eu não dou droga à minha filha”, lamentou Carla Dias, que é mãe de uma menina de dois anos com epilepsia refratária cujo estado de saúde “melhorar substancialmente” com o uso de óleo de canábis.

“Os portugueses já não olham para a canábis como uma droga e os profissionais de saúde que deviam ser os primeiros admitir as propriedades terapêuticas dizem isto aos pacientes. Isto é inacreditável”, vincou.

Para inverter esta situação, o OPCM está a angariar verbas para dar formação aos profissionais de saúde.

Segundo a responsável, esta formação vai ser dada por profissionais, investigadores, médicos internacionais que participaram em ensaios clínicos, em estudos e que têm muita experiência na prescrição do óleo de canábis medicinal.

“O primeiro momento de formação” vai ser na conferência Portugal Medical Cannabis 2019, que decorrerá em Lisboa em 08 e 09 de novembro e no Porto nos dias 22 e 23 do mesmo mês.

O observatório está também a reunir um grupo de profissionais de saúde para realizar ‘workshops’ em “locais chave”, principalmente no Porto, Lisboa e Coimbra.

Até ao final do ano, o OPCM pretende criar bolsas de investigação para os investigadores que estiverem interessados em fazer investigação sobre a planta canábis.

Para isso, está a construir uma base de dados de pacientes. “É muito importante que os pacientes vão ao nosso ‘site’ [www.OPCM.pt] e preencham o formulário”, que é confidencial, para informarem se estão a utilizar ou não canábis e para que patologia.

“Nós queremos saber que temos x pessoas a tomar para estas patologias e ter o seu contacto para as podermos contactar e serem ajudadas por médicos” quando “as bolsas de investigação estiverem a funcionar em pleno”.

O objetivo é que, através destas bolsas de investigação, sejam estabelecidas parcerias com hospitais e universidades, sublinhou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)