Rádio Observador

MPLA

Pacote legislativo autárquico angolano continua a dividir oposição e MPLA

Grupos técnicos do parlamento estão a trabalhar para fundir duas propostas de leis. O líder do grupo parlamentar do MPLA disse que os trabalhos procuram encontrar o consenso para chegar a unanimidade.

Caso sejam aprovadas estas duas propostas legislativas ficam ainda por discutir e aprovar outras seis propostas de leis do pacote legislativo autárquico

AMPE ROGÉRIO/LUSA

O gradualismo e a tutela de mérito continuam a ser os pontos divergentes na discussão do pacote legislativo autárquico angolano, que vai a votação final global no dia 13 deste mês na Assembleia Nacional.

A conferência de líderes dos grupos parlamentares da Assembleia Nacional aprovou nesta quinta-feira a agenda de duas sessões plenárias para os próximos dias 8 e 13 deste mês, prevendo-se nomeadamente, na última, a votação final global do Projeto de Lei Orgânica sobre a Organização e Funcionamento das Autarquias Locais e do Projeto de Lei da Tutela Administrativa sobre as Autarquias Locais.

Em declarações à imprensa, o líder do grupo parlamentar do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder), Américo Kuononoka, disse que os trabalhos procuram encontrar o consenso para estas leis possam ser aprovadas por unanimidade.

“Essa é a ideia, a tendência e o espírito que anima o grupo parlamentar do MPLA, de procurar os consensos”, referiu.

Grupos técnicos do parlamento angolano estão a trabalhar para fundir duas propostas de leis apresentadas pelos grupos parlamentares da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) – Projeto de Lei Orgânica sobre a Organização e Funcionamento das Autarquias Locais – e da Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE) – Projeto de Lei da Tutela Administrativa sobre as Autarquias Locais – com o diploma submetido pelo executivo angolano.

“Estamos a trabalhar no sentido do consenso, são leis que vão favorecer a sociedade angolana, os municípios, as autarquias, de tal sorte que não interessa este ou aquele grupo parlamentar fazer aquilo que lhe apraz, estamos a trabalhar no sentido de encontrar uma lei que satisfaça a demanda das futuras autarquias”, sublinhou o líder do grupo parlamentar maioritário.

Por outro lado, Américo Kuononoka disse que a sua bancada continua a defender o gradualismo para a implementação das futuras autarquias, cujas eleições estão previstas para 2020, em respeito à Constituição.

“Nós primamos pela legalidade, pelo cumprimento da lei, foram os deputados que aprovaram a lei constitucional em vigor no país, de 2010, foram os deputados que aprovaram o regimento da Assembleia Nacional que é um documento e um manual de orientação de trabalho da Assembleia Nacional, logo, o grupo parlamentar do MPLA como prima pela lei, pelo respeito da Constituição, vai continuar a discutir no sentido que esta lei seja cumprida”, reiterou. “Porque o gradualismo que é o doseamento na implementação das autarquias, está na Constituição e não podemos violar a Constituição”, frisou.

Por sua vez, a vice-presidente do grupo parlamentar da UNITA, Albertina Ngolo, referiu que enquanto o partido maioritário continua a defender que a questão do gradualismo esteja nas disposições gerais principais, a oposição entende que o mesmo venha para as disposições finais e transitórias.

“Porque pensamos que o gradualismo que se deve defender é ainda o gradualismo funcional para que possamos ter algumas responsabilidades que durante algum tempo sejam ainda exercitadas pelo poder central, mas ao longo de algum tempo, que vamos determinar a depender da especificidade de cada atuação, entre cinco, 10, 15 anos, e quando este período terminar, que o Governo central passe definitivamente essas atribuições para as autarquias”, defendeu.

Relativamente à tutela administrativa sobre as autarquias locais, a proposta de lei submetida ao parlamento pelo executivo defende a tutela de mérito, ou seja, conferir poder a um órgão tutelar para vigiar os atos que o autarca realiza.

Sobre este aspeto, o líder do grupo parlamentar do MPLA referiu que também responde a um imperativo constitucional, a ser aplicado de forma transitória.

“A tutela de mérito é de uma forma transitória, nos primeiros dois ou três anos, as autarquias têm que ser acompanhadas pelo governo central”, disse.

Já Albertina Ngolo sustenta que deve prevalecer a tutela legal. “Defendemos que o governo central tenha como fiscalizador o cumprimento da legalidade nas ações das autarquias locais”, referiu.

A mesma opinião tem o líder do grupo parlamentar da CASA-CE, André Sebastião, relativamente aos dois pontos fraturantes, defendendo igualmente a implementação ao mesmo tempo nos 164 municípios de Angola e a tutela legal.

Caso sejam aprovadas estas duas propostas legislativas ficam ainda por discutir e aprovar outras seis propostas de leis do pacote legislativo autárquico.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)