Rádio Observador

Ébola

Conselho de Segurança da ONU pede resposta “urgente” para epidemia de ébola

O surto da doença na República Democrática do Congo cumpriu, esta quinta-feira, um ano que foi declarado e já causou 1.813 mortos entre 2.701 casos registados, continuando sem estar controlado.

SALYM FAYAD/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Conselho de Segurança das Nações Unidas voltou a manifestar, esta sexta-feira, “profunda preocupação” com o surto de Ébola na República Democrática do Congo (RDCongo) e sublinhou “a necessidade de uma resposta urgente” de combate à doença.

O surto da doença no nordeste da RDCongo cumpriu, esta quinta-feira, um ano que foi declarado e já causou 1.813 mortos entre 2.701 casos registados, continuando sem estar controlado.

A 17 de julho, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou que o surto epidémico de Ébola na RDCongo tinha-se tornado uma emergência sanitária internacional.

Numa declaração aprovada esta sexta-feira, o Conselho de Segurança da ONU, a propagação da doença aos países vizinhos da RDC “pode ter graves consequências humanitárias e afetar a estabilidade regional”.

O Ruanda fechou ontem, durante 14 horas, a sua fronteira com a RDC, após a deteção de um novo caso de ébola na cidade fronteiriça congolesa de Goma.

O orgão máximo da ONU elogiou os esforços que estão a ser realizados tanto pela RDC como pela OMS e outros organismos da ONU na luta contra o surto, mas mostrou também inquietação com a situação de segurança neste país.

O Conselho de Segurança reiterou a sua grave preocupação pela situação de segurança nas zonas afetadas pelo surto de ébola, em particular, os ataques ao pessoal ligado à ajuda humanitária e a médicos”, indicou aquele órgão, que hoje [sexta-feira] teve uma reunião para abordar a situação do ébola.

Neste sentido, a ONU pediu o cessar imediato das hostilidades de todos os grupos armados, tendo em conta que a insegurança está “a dificultar seriamente as atividades de resposta e a facilitar a propagação do vírus”.

Além disso, “exigiu que se garantisse o acesso seguro e sem obstáculos” do pessoal médico e humanitário e destacou que “as equipas de resposta e as instalações médicas” devem “respeitar-se e proteger-se e não devem ser alvo de ataques”.

O presente surto de Ébola na RDC é o décimo na história do país, tendo-se convertido na segunda epidemia mais grave do mundo, apenas superada pela que atravessou a África Ocidental em 2014, com mais de 11.000 mortos.

Está localizado nas províncias de Kivu do Norte e Ituri, fronteiriças com o Sudão do Sul, Uganda e Ruanda.

O vírus do Ébola transmite-se através do contacto direto com o sangue e fluídos corporais de uma pessoa já infetada, provoca febre hemorrágica e pode chegar a alcançar uma taxa de mortalidade de 90% se não for tratado a tempo.

Já esta quinta-feira, o mesmo órgão destacou avanços na situação política e de direitos humanos na RDCongo, após a eleição do novo Presidente, Feliz Tshisekedi.

De acordo com o portal de notícias da ONU, os 15 Estados com assento no Conselho de Segurança consideraram que o país “teve avanços políticos positivos desde a eleição do novo chefe de Estado, que incluem os esforços em prol da reconciliação, paz e estabilidade”.

A ONU, que tem uma missão na RDCongo (Monusco), elogiou os passos de Tshisekedi para abrir o espaço político, incluindo a libertação de membros da oposição e da sociedade civil e o regresso de atores políticos, além dos esforços em prol da liberdade de opinião e expressão.

No mesmo documento, aquele órgão da ONU destaca as ações do Governo congolês para garantir e “respeitar os direitos humanos, as liberdades fundamentais e o compromisso de combate à corrupção e impunidade”.

Salienta ainda que as autoridades do país precisam de fazer mais esforços para a prestação de contas dos responsáveis pelos crimes que cometeram e defende que “é preciso abordar as causas profundas dos conflitos, incluindo a exploração ilícita, o tráfico de recursos naturais, os ciclos recorrentes de violência e melhorias a segurança em algumas partes da RDCongo”.

O Conselho de Segurança da ONU salienta a importância da formação de um governo que possa cumprir os compromissos do Presidente Tshisekedi, como prosseguir com a unidade nacional e reforçar o Estado de Direito, a inclusão política e a construção da paz.

Os 15 países-membros manifestam preocupação face à degradação da situação de segurança das agências humanitárias que trabalham em algumas áreas do leste do país, principalmente nas províncias de Ituri e Kivu do Norte (nordeste da RDCongo).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)